quarta-feira, 26 de agosto de 2009

O Relacionamento Paternal De Deus Para Com Seu Povo - Esboço de Sermã

Rev. Juberto Oliveira da Rocha Júnior

Os 11. 1-12

I – A condição do povo de Deus:

a) Povo que precisa de maturidade. Era criança e está se desenvolvendo – V. 1(“Quando Israel era menino...”);

b) Povo rebelde e dado a idolatria – V. 2 (“...mais se iam da minha presença; sacrificavam a baalins e queimavam incenso às imagens de escultura.”);

c) Povo que, quase sempre, não é capaz de ver o cuidado de Deus – V. 3 (“...mas não atinaram que eu os curava.”);

d) Povo que precisa de conversão diária, contudo, não a quer – V. 5 (“...porque recusam converter-se.”);

e) Povo que, por vezes, pensa poder se esconder de Deus – V. 7 (“Porque o meu povo é inclinado a desviar-se de mim; se é concitado a dirigir-se acima, ninguém o faz.”).

II – O que o povo merece.

a) Merece coisas que Deus chega a citar neste texto e que acontecem com Israel por breve tempo. Deus aplica juízo temporário sobre nós para que não soframos o juízo eterno.

a. 1) Ser dominados pelos inimigos – V. 5 (“...mas o assírio será seu rei...”);

a. 2) Morte e destruição – V. 6 (“A espada cairá sobre as suas cidades, e consumirá os seus ferrolhos, e as devorará, por causa dos seus caprichos.”);

a. 3) Abandono, desprezo, ira e destruição – V. 8 (“Como te deixaria, ó Efraim? Como te entregaria, ó Israel? Como te faria como a Admá? Como fazer-te um Zeboim[1]?”)

III – A atitude de Deus para com seu povo:

a) Deus amou incondicionalmente – V. 1 (“...eu o amei...”);

b) Enviou seu filho por amor a este povo –V. 11 (“e do Egito chamei o meu filho.” – Palavra que teve seu cumprimento em Mt 2. 15);

c) Deus enviou seu filho e nos chama – V.2 (“Quanto mais eu os chamava...”);

d) Deus instrui o seu povo V. 3 (“Todavia, eu ensinei a andar...”);

e) Deus cuida de nós – V.3 (“a Efraim; tomei-os nos meus braços...”);

f) Ele ministra cura ao seu povo V. 3 (“...eu os curava...”);

g) Deus dá proteção aos seus V. 4 (“Atraí-os com cordas humanas, com laços de amor...”);

h) Deus leva o nosso fardo V. 4 (“...fui para eles como quem alivia o jugo de sobre as suas queixadas...”);

i) Ele nos sustenta – V. 4 (“...e me inclinei para dar-lhes de comer.”);

j) O Pai é compassivo para com Seu Povo – V. 8 (“Meu coração está comovido dentro de mim, as minhas compaixões, à uma, se acendem.”).

Como o seu coração responde a tanto amor?

Deus espera que haja frutos de cristão autêntico em você. Apesar de tão grande graça vo0cê não pode viver como bem entender. Lembre-se de que uma das coisas que ressaltou a longanimidade de Deus foi o fato de haver um remanescente fiel – V. 12 (“Efraim me cercou por meio de mentiras, e a casa de Israel, com engano; mas Judá ainda domina com Deus e é fiel com o Santo.”).



[1] Cidades relatadas em Dt 29. 23 que foram destruídas como Sodoma e Gomorra.