quinta-feira, 20 de agosto de 2009

A Disciplina da Meditação


“A verdadeira contemplação não é um truque psicológico, mas uma graça teológica”. (Thomas Merton)

Na sociedade contemporânea nosso Adversário se especializa em três coisas: Ruído, pressa e multidões. Se ele puder nos manter ocupado com “grandeza” e “quantidade” descansará satisfeito.

Se desejamos sair da superficialidade precisamos mergulhar no mundo da contemplação. Precisamos entender que há um maravilhoso mundo espiritual a ser explorado. Devemos nos matricular na escola da oração contemplativa.

Concepções Errôneas Compreensíveis

Meditação não é uma propriedade das religiões Orientais. O fato de o cristianismo haver se esquecido dessa disciplina mostra o estado espiritual moderno.

A meditação no Judaísmo e Cristianismo é mais antiga que nas religiões orientais. Os homens da Bíblia meditavam: Isaque meditava (Gn 24. 63); os salmistas meditavam (Sl 63. 6); Os Salmos são meditações cantadas do povo sobre a Lei (Sl 119. 148); O Salmo introdutório do Saltério nos convida a meditação (Sl 1. 2). Deus falava com seus servos e eles sabiam ouvi-lo.

Todos os grandes mestres falam de um modo de ouvir Deus. Quando João recebe sua visão Apocalíptica (Ap 1. 10) ele encontrava-se “em Espírito no Dia do Senhor”. Ele havia sido disciplinado em uma forma de ouvir e ver da qual nos esquecemos. Vamos fazer coro com o Salmista e desejar aprender a meditar (Sl 119. 78).

A nossa meditação é diferente da meditação transcendental. Os mundos são diferentes. A meditação transcendental é uma tentativa de esvaziar a mente; A Meditação Cristã é esvaziar a mente para enchê-la de Algo muito melhor.

A meditação cristã nos leva a quietude para que possamos corrigir os males interiores e depois os males sociais.

Não adianta nos esvaziarmos do mal, precisamos nos encher de Deus (Lc 11. 24-26).

Qualquer pessoa capaz de abrir o poder da imaginação pode aprender a meditar.

“A melhor preparação geral para a meditação bem sucedida é uma convicção pessoal de sua importância e uma firme determinação de perseverar na sua prática”.(P. T. Rorhbach).

Todo o trabalho no princípio é difícil, mas, à medida que o aprendemos, ele se torna um hábito.

“Esperar em Deus não é ociosidade, mas trabalho maior que qualquer outro trabalho para quem não estiver habilitado” (Bernardo de Clairvaux).

A meditação nos ajudará a encontrarmos respostas para coisas simples como: como se relacionar com a esposa, como agir no trabalho... A meditação pode produzir êxtase, mas, o mais comum, é que ela nos dê respostas para coisas do dia-a-dia.

A meditação pode até produzir benefícios físicos, mas sua função é ajuntar o Amante e o amado. “A contemplação dos santos é inspirada pelo amor do Contemplado, isto é, Deus”.(Alberto, o Grande).

Desejando a Voz Viva de Deus

“Sentar apenas e pensar em Deus, Oh, que alegria é! Pensar o pensamento, respirar o Nome; Maior felicidade não tem a terra”.(Frederick W. Faber).

O ser humano tem a tendência de querer que outros ouçam por ele, ele tem preguiça de ouvir (Êx 20. 19; 1Sm 8. 7). O povo quer mediadores humanos para não ter que se aproximar de Deus, pois isso implica em mudança moral.

Não precisamos de mediadores humanos, pois somos sacerdotes de Deus mediante Jesus. Somos sacerdotes e, por isso, devemos estar na presença de Deus. A meditação nos ajuda a entrar no Santo dos Santos. Estamos no século XXI, mas podemos ouvir a Deus como Ananias ouviu quando foi orar por Saulo.

Como receber o desejo de ouvir a voz de Deus? Isso advém da graça, logo, devemos orar para que tenhamos esta sede.

Preparando-se para meditar

Aprendemos a meditar meditando. Quando nos tornamos disciplinados em meditar podemos fazê-lo em quase qualquer lugar ou circunstância.

Para começarmos é interessante aprendermos alguns conselhos:

Separar hora;

Saber que a oração contemplativa deverá se tornar parte de nós (1Ts 5. 17);

Aprender a desligar a mente das coisas frenéticas do dia-a-dia para esse tempo especial;

Separar um lugar específico, um lugar que lhe transmita paz, quietude;

A postura não faz muita diferença. Procure uma posição confortável na qual você possa permanecer po um bom tempo. Na Bíblia não há leis sobre posição para se ouvir a voz de Deus, nela encontramos seus servos com diversas posturas.

Como Meditar – Primeiros Passos

Para começar use a porta da imaginação. Não tente racionalizar todas as experiências. A coisas no mundo espiritual que não veremos claramente agora.

Devemos convencermo-nos da importância de pensar e experimentar por meio de imagens mentais. Uma boa idéia e visualizar as histórias do Evangelho usando a imaginação. Um meio de meditação e refletir sobre os sonhos. Deus, por vezes, fala através dos sonhos. Ë prudente pedir proteção a Deus. Quando queremos ser sensíveis às coisas espirituais podemos ser confundidos pelo Inimigo. O modo de entendermos o que Deus quer nos dizer é pedir (Tg 4. 2).

Como Meditar – Exercícios Específicos

Só se faz exercícios pesados depois de começar com os pequenos e crescer progressivamente. Comece a meditar com períodos de 5 a 10 minutos e depois vá aumentando progressivamente.

Boas dicas para começar: Coloque suas mãos em posição de petição; Procure respirar de modo correto; Encerre suas meditações com expressões de ações de graças; Comece meditando sobre coisas simples e com o passar do tempo comece a meditar nas Escrituras; Quando meditar em uma história ou parábola uma boa idéia é assumir o lugar de uma personagem; Lembre-se de que você não está fazendo estudos Bíblicos, você está ouvindo a voz de Deus.

Uma boa forma de meditação é refletir sobre Deus estando diante de você e falando com você e você com Ele.

Outra forma de meditação é: Meditar sobre ocorrências do nosso tempo e pedir ao Senhor para que Ele revele Seus propósitos.

Não desanime. No princípio todo o exercício é difícil. Anime-se! Há muitas outras formas de meditação que você desenvolverá à medida que se exercita.