quinta-feira, 20 de agosto de 2009

EDIFICAÇÕES QUE DESEDIFICAM

SERMÃO EXPOSITIVO

EDIFICAÇÕES QUE DESEDIFICAM

Gn. 11: 1-9

POR

JUBERTO OLIVEIRA DA ROCHA JUNIOR

EM CUMPRIMENTO AS EXIGENCIAS DE

HOMILÉTICA III

Prof. Rev. Leonardo Leão

SEMINÁRIO TEOLÓGICO PRESBITERIANO “RDNE”

BELO HORIZONTE - MG

JUNHO DE 1998


SERMÃO EXPOSITIVO
TEXTO BASE: Gn. 11: 1-9
TÍTULO: EDIFICAÇÕES QUE DESEDIFICAM

“Torre de Babel”. O nome da novela da Globo que é símbolo de degradação, perversão moral e ofensa ao Deus Todo Poderoso. O que me chamou a atenção para a novela foram os comentários de colegas de classe sobre a ela. Procurei saber algo sobre a novela nos jornais lendo a sinopse da novela. A nova obra da Globo faz juz ao nome que recebeu pois é definitivamente uma babel, confusão mesmo ( alguém já disse que na TV só

faltava a torre porque Babel ela já é a muito tempo ).

A novela é um tributo a perversão e ao pecado. Exalta o homossexualismo, a prostituição e outros pecados que Deus abomina. Tudo isso me fez pensar no tempo, esforços, dinheiro, material, pessoal e recursos empregados para se construir algo que destroi a alma humana, nos afasta de Deus e exalta o pecado. Esse é o tipo de obra que destroi. É como ocupar o tempo na construção da bomba atômica ( obra edificada, Irochima destruída ). A Torre de Babel novela assim como a torre de Babel da Bíblia são exemplos de EDIFICAÇÕES QUE DESEDIFICAM pois corrompem o homem. O meu desejo é o de que você, Igreja do Senhor Jesus, possa, dês de já, Ter seus olhos abertos para não correr o risco de investir em EDIFICAÇÕES QUE DESEDIFICAM.

E pertinente lembrarmos que Gênesis, assim como os demais livros do Pentateuco, foi escrito por Moisés. A data exata não a podemos definir. O livro trata dos começos e é, sem sombra de dúvidas o lugar mais apropriado pra se narrar o começo das várias línguas. O cap. 11 tem estreita ligação com os capítulos anteriores. Deus havia derramado o dilúvio e destruído os seres viventes ( exceto os que preservou na arca ) em virtude do pecado do homem. Posteriormente a descendência de Noé se torna numerosa e se deixa levar pelo pecado. A expressão máxima da rebelião do homem até o dia em que Deus cria as diversas línguas é a Torre de Babel. Por esse motivo penso que ela seja o exemplo mais viável no qual podemos encontrar as características de uma obra de EDIFICAÇÃO QUE DESEDIFICA. Essa torre não foi uma simples construção mas sim um grave pecado, uma terrível rebelião contra Deus. Se assim não fosse Deus não teria tomado a drástica, porém sabia decisão de terminar com a existência de uma só língua sobre a terra, o que impossibilitou os homens de levarem a diante a edificação pecaminosa

Para que não caiamos no erro, ou vigiemos para não cair, de produzirmos obras que podem nos destruir ou que façam com que Deus tome atitudes drásticas contra nós, por misericórdia de nós para que não sejamos destruídos por nosso próprio pecado. É pertinente que saibamos quais as marcas de uma EDIFICAÇÃO QUE DESEDIFICA.

A primeira dessas características é:


I – É UMA FRONTAL DESOBEDIÊNCIA A VONTADE DE DEUS

Veja o que nos diz o v. 4: “Disseram: vinde, edifiquemos para nós uma cidade e uma torre..., para que não sejamos espalhados por toda a terra.” A proposta parecia excelente. A cidade e a torre promoveriam a unidade dos homens. Essa obra parecia mesmo ser benéfica, agora o homem poderia: viver unido, criar uma sociedade, defender-se do perigo que por ventura viesse a existir, etc., etc., etc.

A idéia parecia boa mas não era. É do conhecimento de todos que pequenas comunidades tem problemas, contudo, grandes comunidades tem problemas enormes. Com o tempo a comunidade cresceria concideravelmente e a pseudo-unidade sucumbiria diante da índole pecaminosa do homem.

Ainda que resolvamos ignorar esse fator social apresentado, não podemos ignorar o grande problema dessa construção: Ela era contraria a vontade de Deus; Era ignorar o que Deus havia ordenado; Era o voltar as costas para Deus; Era um grande pecado.

Deus havia enviado o dilúvio por causa do pecado e agora o homem votava a pecar. O caso é que os homens ainda não eram muitos sobre a terra. A humanidade estava em processo de crescimento outra vez e Deus lhes havia deixado uma ordem em Gn. 9: 1.Deus havia dito a Noé que sua descendência deveria se multiplicar e encher a terra. Deus reafirma essa ordem no v. 7 do cap. 9 e mesmo assim o homem resolve construir uma torre e não se espalhar. Deus sempre desejou que o homem enchesse a terra e que a sujeitasse> podemos ver isso já em Adão quando Deus se dirige a ele em Gn. 1: 28. Contudo o homem resolve desobedecer a Deus e afronta-lo tentando construir unidade com as próprias forças.

Não que Deus seja contra a unidade, Ele não o é, mas o fato é que esse não era tempo de se ajuntar e sim de espalhar e Deus tinha planos com essa dispersão. De mais a mais não podemos nos esquecer que essa unidade duraria só até que os interesses daqueles homens fossem os mesmos. Ou enquanto o dominador ou os dominadores pudessem manter o controle. É também nessessário que nos lembremos de que verdadeira união só Deus pode conceder. Deus acaba com o empreendimento e assim evita que o homem continue a desobedece-lo e que a apostasia reine. Alguém já disse com muita propriedade que “É melhor a divisão a apostasia coletiva” e é mesmo assim.

A alegação de ignorância da vontade de Deus não isenta homem algum da culpa do pecado e aqueles homens eram indesculpáveis. A torre foi mais uma dessas idéias pecaminosas que Satanás planta na mente dos homens para perverter a criação. Ele fez isso com Adão e Eva quando os fez crer que comer da Árvore do Conhecimento do Bem e do Mal, deu ao pecado cara de coisa boa e repetiu a dose em Babel.

Precisamos nos cuidar para que não empreendamos obras que são desobediência e rebelião contra Deus. Podemos cair nisso por causa das investidas do Inimigo e por causa de nossa natureza pecaminosa. Temos visto a mídia nos bombardear com seus conceitos diabólicos, vemos a cada momento o pecado sendo pregado e divulgado como coisa valiosa e pode se dar o caso de acabarmos investindo nosso tempo em coisas que desagradam a Deus. Prá que isso não aconteça é bom que façamos como o salmista que guardava no coração a Palavra de Deus para não pecar contra Ele. Conhecendo a Palavra poderemos resistir a Satanás com Ela, como fez Jesus no deserto. E precisamos de vida de oração prá que o pecado não tenha domínio sobre nós e venha a nos fazer inimigos de Deus.

Se não nos cuidarmos podemos edificar coisas que nos façam voltar as costas pra Deus, mas, podemos incorrer em outro erro ou também em outro erro com nossas edificações e esse erro é o de engrandecer-mos a nós mesmos. É justamente desse problema que trataremos agora.

II - SÃO EDIFICADAS PARA GLÓRIA HUMANA

“Disseram: Vinde, edifiquemos para nós uma cidade e uma torre...e tornemos célebre o nosso nome,”

Mais uma vez o V. 4 nos revela as intenções e motivações erradas dos homens. Os homens queriam construir algo que os tornasse celebres, queriam glórias para si, não pensaram em Deus nem no fato de que Deus quem lhes deu capacidade de construir algo.

Resolveram construir uma torre cujo topo chegasse até o céu. É claro que jamais chegariam lá, más, tais pretensões nos revelam que o homem daquela época tinha mais conhecimento de construção do que nos é revelado. E o que o homem fez com esse conhecimento? Glorificou a Deus? Adorou-O? Engrandeceu o Nome de Deus? Foi grato? NÃO. A ingratidão, que é fruto do pecado, se manifestou de forma violenta e ao invés de a homem fazer coisas para Deus, resouvel ensoberbecer-se e edificar algo que exaltasse o seu nome.

Quando o homem toma esse rumo imediatamente se afasta de Deus; Confia única e exclusivamente em si; começa a zombar dos grandes feitos de Deus e diz que foi por seus esforços que as coisas aconteceram. Quando o homem chaga a essa condição é possivol enxergar que ele está com os dois pés no inferno.

Fizeram tijolos, ajuntaram piche e começaram uma construção. Para Deus? Negativo. Para ficar como símbolo de homens que cultuam a si mesmos, hiper antropocentricos e existencialistas. Existencialistas sim. Quando o homem resolve cultuar a si mesmo com suas obras ele é um existencialista. Tem pecado contra Deus contentemente.

O problema é que esse é o erro mais comum que cometemos em nossas edificações. Quantas vezes construímos coisas pra nossa própria glória e só nos damos conta disso muito mais tarde. E pior ainda, quantas vezes fazemos coisas que dizemos ser pra Deus e até convencemos a nós mesmos de que as estamos fazendo pra Deus, contudo, bem la no fundo, por mais que queiramos ignorar, sabemos que estamos fazendo pra nós mesmos e para nosso engrandecimento próprio. Até mesmo a pseudo santidade, que faz com que todos nos vejam como super crentes, até mesmo ela pode nos levar ao inferno.

A partir do v. 6 vemos o parecer de Deus sobre essas coisas. Deus olha e diz que isso é apenas o começo e que se continuasse daquela forma a rebelião do homem tornar-se-ia ainda maior. Então Deus intervém e acaba com a obra que era rebelião contra ele e feria a impafia humana.

Todos nós corremos o risco de edificarmos coisas para nossa própria glória. Conscientes disso é melhor que vigiemos e, se preciso for, que clamemos a Deus para que ele intervenha, que destrua a obra e que cause confusão. É melhor isso a perder as intimidade com Deus ou se tornar um apóstata.

Agora temos mais uma marca, ou característica de edificações que desedificam que pode ser vista aqui na torre de Babel.


III - TEM A PRETENÇÃO DE REALISAR OBRAS QUE SO PODEM SER REALIZADAS POR DEUS

Em Babel os homens não só pecaram contra Deus por desobediência, como vimos no primeiro ponto, mas também cometeram pecado de idolatria, como vimos no segundo ( por colocarem a si mesmos no lugar devido a Deus ) Más, também pecaram por quererem realizar uma obra que só pode ser realizada por Deus.

“disseram: Vinde, edifiquemos para nós uma cidade e uma torre cujo topo chegue até os céus...”

Essa ambição foi terrível. O homem queria por esforço próprio chegar ao céu, eles queriam se salvar por meio de suas próprias obras.

A nesse ponto uma discussão exegética que consiste no seguinte: A o grupo que defende a tradução dessa parte exatamente como a temos: “...cujo topo chegue até o céu”; Já o outro grupo diz que esse trecho devia ser traduzido da seguinte forma: “...com o céu no topo”.

Se olhamos pelo ângulo da primeira corrente temos aqui um pessoal que achava poder conquistar salvação por esforço próprio. Isso só vem a nos mostrar que a filosofia que vem sendo pregada pelo espiritismo é uma asneira mais antiga do que se pensa. Eles queriam construir uma ponte entre a terra e o céu, ignorando o Messias, A Ponte Suprema, Jesus. Talvez os Romanistas tenham herdado essa idéia estapafúrdia dos de Babel, afinal são eles quem pretensiosamente afirmam que seus papas são pontes entre os homens e Deus ( Isso é o mesmo que ignorar a obra de Cristo, é ignorar a afirmação que Jesus fez de que ele é “o caminho, a verdade e a vida” e que ninguém vai ao Pai senão por Ele;). Os de Babel simplesmente rejeitaram a promessa Messiânica e ignoraram a Deus, buscaram salvação por esforços próprios e pecaram terrivelmente.

Se olharmos pelo ângulo da Segunda corrente então o que esses homens estavam fazendo é ignorar a realidade do céu. Eles tentavam construir um céu para si aqui na terra. Exatamente como pregam os adeptos da igreja Messiânica. Essa igreja prega que não a céu ou inferno e que nós é quem temos que unir esforços para construir o céu. Parece que o pessoal da igreja messiânica aprendeu essa heresia com o pessoal de Babel. Ignorar a realidade de que a o céu é loucura e é chamar a Deus de mentiroso, pois é o próprio Deus quem nos garante que tal lugar existe.

Seja qual for o ângulo que resolvamos olhar, nenhum dos dois diminui o pecado de Babel. Em qualquer das duas traduções aqueles homens ignoraram a Deus, recusaram a promessa Messiânica e quebraram o pacto de forma desdenhosa e ofensiva para com Deus.

Espíritas, Romanistas, Budistas, ateus... todos eles rejeitam a Deus por causa do fato de se acharem capasses de se salvar. Crentes também podem acabar incorrendo no mesmo erro quando sacariam sua instituição, sua denominação, seu batismo e dizem: “A minha igreja é que salva, o meu batismo é que regenera, quanto mais água mais Espírito”. Nós crentes também corremos o risco de construir para nós torres soteriológicas para tentarmos chegar aos céus. É preciso vigiarmos e cuidarmos para não cairmos nessa armadilha de Satanás. O zelo religioso, a arrogância denominacional, a soberba teológico-intelectual podem muito bem ser nossas torres e pontes que estamos querendo construir para chegar ao céu.


CONCLUSÃO

Como conseqüência dessa edificação pecaminosa Deus confunde a língua dos homens e aquele lugar passa a se chamar babel. Posteriormente essa região veio a se chamar Babilônia ( e quantas complicações trouxe a Babilônia para o Povo de Deus). Babilônia e a expressão grega para Babel, Muitos afirmam que babel se deriva de uma expressão que quer dizer portal de Deus, contudo, observações nas línguas semíticas nos provam o que diz a Bíblia, Babel têm o significado de confusão e é desse nome que Babilônia herda seu nome.

O pecado causou confusão em Babel por causa da edificação que desedifica, a obra pecaminosa que era a torre. Nossas obras hoje podem muito bem ser edificações que desedificam e nesse caso podem nos destruir ou o próprio Deus pode embargar a obra e nos separar de nossos próximos, amigos, companheiros de obra pra que não apostatemos.

Somos pecadores e de quando em vez investimos tempo, trabalhos esforços em edificações que desedificam. Deus poderia e pode muito bem estabelecer que sejamos tirados de nosso meio e nossa obra. Pecamos contra Ele, blasfemamos, pronunciamos Seu Nome em vão e se Ele resolvesse derramar Sua ira sobre nós não haveria injustiça alguma nisso.

Contudo o Pentecostes é o avesso de Babel, é a prova incontestável de que Deus pode desvirar o avesso, é a nossa alegria que nos mostra que nosso Deus é gracioso e nos dá mais uma chance. Vamos confiar no Deus gracioso a quem servimos, vamos exaltar somente a Ele em todo tempo ( inclusive através de nossas obras ) e vamos confiar única e exclusivamente Nele pra nos salvar e dessa forma deixemos as edificações que desedificam prá lá.

Pode ser que a sua torre esteja sendo construída com tijolos de arrogância, intelectualismo frio, obras para seu engrandecimento. Meu caro essa é uma edificação que desedifica, é uma obra pesada e que te consome, é um fardo insuportável. Deixe tudo isso e tome o fardo de Jesus, que Ele mesmo te oferece ( pra que vocês troquem de fardo ) e o fardo de Jesus e leve, e só Jesus restaura o homem destruído por suas próprias obras pecaminosas.