quinta-feira, 20 de agosto de 2009

A Disciplina da Oração

“Eu sou o fundamento da tua súplica; primeiro, é minha vontade que recebas o que suplicas; depois, faço-te deseja-lo; e então faço-te suplica-lo e tu o suplicas. Como, pois, não haverias de receber o que suplicas?” (Juliana de Norwich).

A oração verdadeira cria e transforma a vida. Orar é mudar.

Tg 4. 3 – Pedir corretamente envolve paixões transformadas.

Os grandes Cristãos da história oravam:


· Jesus – Mc 1. 35;

· Davi – Sl 63. 1;

· Os Discípulos – At 6. 4 – escolhera o estudo da palavra e a oração;

· Martinho Lutero – “Tenho tanto o que fazer que não posso prosseguir sem passar três horas diariamente em oração”. “Aquele que orou bem, estudou bem”;

· João Wesley orava duas horas por dia;

· E temos ainda David Brainerd; George Fox; Adoniram Judson...


A crença na soberania de Deus tem sido usada como desculpa para muitos não orarem, contudo, não é assim que a Bíblia ensina.

Estamos trabalhando com Deus para correr o curso da história – 1Co 3. 9.

Aprendendo a Orar

Temos que ter a umidade dos discípulos para pedir “Senhor, ensina-nos a orar”. (Lc 11. 1). Resouvi aprender a orar, de modo que minha experiência fosse conforme com as palavras de Jesus em vez de tentar fazer suas palavras conformes com a minha empobrecida experiência.

Jesus nunca dizia “se for da Tua vontade” pois Ele sabia a vontade do Pai. Devemos buscar intimidade tal que aprendamos vontade do Pai.

“A oração é para a religião o que a pesquisa original é para a ciência”. (P. T. Forsyth).

Se andarmos com Cristo teremos nossas orações atendidas – Jo 15. 7.

Ouvir ao Senhor é a primeira coisa. Ouvir ao Senhor nos livrará das vãs repetições – Mt 6. 7.

“Alguém orava pensando, a princípio, que a oração era falar; mas foi se calando mais e mais até que, afinal, percebeu que a oração é ouvir”.(Soren Kierkegaard). A meditação é o prelúdio necessário à interseção.

Um princípio importante de crescimento em oração é: O êxito nos pequenos cantos da vida dá-nos autoridade nas questões maiores.

Os Picos Menos Elevados da Oração

Jesus ensinou-nos a dirigirmo-nos como crianças a um pai.

Ore por: seus filhos; alunos com problemas; pelos casamentos; pelo pastor e pelos cultos; por pessoas com desvios sexuais.

Não temos que orar por um problema podemos simplesmente abençoar – Mc 10. 13 – 16.

Podemos também desenvolver o conceito de orações relâmpago onde “ver alguém será orar! Ouvir alguém, como crianças conversando, um menino chorando, pode ser orar”.(Frank Lauback).

Orações simultâneas com o trabalho devem ser desenvolvidas.

· A oração não é pedir coisa. Orar é crescer em comunhão com Deus.

· Oração não é só batalha. Orar na maioria das vezes é prazeroso e revigorante.

· Nossa fé não vai acabar se Deus não responder como queremos.

· Ore mais que uma vez se preciso for. Isso não é falta de fé.

“As orações não mudam a Deus. As orações mudam aquele que ora”.