quinta-feira, 20 de agosto de 2009

A Disciplina do Jejum


“Algumas pessoas tem exaltado o jejum religioso elevando-o além das Escrituras e da razão; e outros o tem menosprezado por completo” – (João Wesley).

Numa época de restaurantes, lanchonetes e consumísmo o jejum parece estar fora da moda.

O jejum é constantemente apregoado e praticado nas Escrituras e é praticado constantemente por cristãos sinceros de todos os tempos. Então, qual a razão de o jejum Ter caído em descrédito? Duas coisas contribuíram para isso:

· Em 1o lugar, o jejum como resultado das excessivas práticas ascéticas[1] da Idade Média – A cultura moderna reagiu contra esses excessos e passou a confundir jejum com mortificação;

· 2o motivo é a propaganda.

O Jejum na Bíblia

Nas Escrituras o jejum refere-se à abstenção de alimentos para finalidades espirituais. Ele se distingue da greve de fome[2] e da dieta[3].

O jejum na bíblia, normalmente, refere-se à abstenção de comida e bebida, exceto água. Em seu jejum de 40 dias Jesus “não comeu” e ao fim desse período “teve fome”. A abstenção era de alimento e não de água (Lc 4. 2ss).

Vemos nas Escrituras jejuns parciais como no caso do profeta Daniel (Dn 10. 3).

Vemos também o “Jejum Absoluto” ou abstenção tanto de alimento quanto de água. Esse tipo de jejum é uma medida desesperada para atender uma emergência. Ester se valeu deste tipo de jejum (Ester 4. 16) e como ela Paulo (At 9.9) é importante saber que o corpo humano não pode passar mais que 3 dias sem água.

Moisés e Elias fizeram um jejum absoluto sobrenatural (Dt 9.9 e 1Reis 19. 8). Ë importante dizer que o jejum absoluto só deve ser praticado se você tiver uma ordem clara de Deus.

Há também na Bíblia o registro de jejuns públicos. O único jejum público anual exigido pela lei mosaica era realizado no dia da expiação (Lv 23. 27). Jejuns públicos também eram convocados em tempos em tempos de emergências de grupo ou nacional (Joel 2. 15; 2Cr 20 1 – 4; Esdras 8. 21 – 23).

É o Jejum um Mandamento?

Jesus no Sermão do Monte ensina que orar, dar e jejuar são partes fundamentais do cristianismo. Jesus espera que os homens jejuem: “Quando jejuardes” (Mt 6. 16). “Não foi intenção de Cristo rejeitar ou desprezar o jejum... sua intenção foi restaurar o jejum adequado”.(Martinho Lutero).

Jesus afirma que os cristãos devem jejuar hoje (Mt 9. 15). Jesus apoiou a disciplina do Jejum e previu que os crentes a praticariam.

O Objetivo do Jejum

Mt 6. 16 – 18 – O jejum deve sempre centrar-se em Deus. Nós também devemos cultuar em jejuns (Lc 2. 37; At 13. 2).

Se nosso jejum não é para Deus, então fracassamos (Zacarias 7. 5).

Ira, amargura, ciúme, discórdia, medo – se estiverem dentro de nós, aflorarão durante o jejum (Sl 69. 10).

O jejum deve ser praticado de modo progressivo.

Idéias Interessantes

Jejuar de pessoas;

Jejuar de Mídia;

Jejuar do telefone;

Jejuar das placas de anúncios publicitários;

Jejuar da cultura pecaminosa.



[1] Automortificação e flagelação.

[2] Cujo propósito é adquirir poder político ou atrair a atenção para uma boa causa.

[3] Cujos propósitos são físicos.