quinta-feira, 20 de agosto de 2009

As Disciplinas Espirituais

Introdução

A superficialidade é a maldição de nosso tempo. O imediatísmo é um problema espiritual. Não precisamos de pessoas mais inteligentes, e sim, de pessoas mais profundas.
As clássicas disciplinas espirituais nos convidam a passar do viver na superfície para o viver nas profundezas.
As disciplinas espirituais não são para os gigantes, elas são para nós, para nos tornar gigantes.
As disciplinas não são ingratas ou monótonas. Elas são para nos libertar e produzir alegria plena em nós.
Não precisamos ser teólogos para praticar as disciplinas espirituais. Elas são para todos os crentes. São para os recém convertidos e até para os não convertidos. Elas são para todo aquele que tem sede de Deus (Sl 42. 1 e 2).
“Não desejamos ser principiantes. Mas, convençamo-nos do fato de que, por toda a vida, nunca seremos mais que principiantes”. (Thomas Merton). Os principiantes são bem-vindos.
Quando ouvimos o chamado de Deus para mergulhar em águas mais profundas, 2 dificuldades surgem:
1a – De ordem filosófica – O materialismo de nosso tempo;
2a – De ordem prática – Simplesmente não sabemos como explorar a vida interior.
A Bíblia conclama o povo as Disciplinas Espirituais. Ela não explica como praticar porque o povo sabia fazê-lo, era parte da cultura. Não é o nosso caso. Precisamos aprendê-las.
A Escravidão de Hábitos Arraigados:
O pecado infesta à raça humana (Rm 3. 9 – 18); O pecado nos domina o corpo tornando-se hábitos arraigados (Rm 7. 5 e ss). Não há pior escravidão que a dos hábitos arraigados.
Quando perdemos a esperança de transformação as Disciplinas Espirituais vem para transformar nossas vidas.
Devemos semear para a vida eterna através das Disciplinas Espirituais (Gl 6.8). O lavrador semeia e cuida, mas, ele não tem o poder de fazer a semente crescer e é assim também na vida espiritual.
Precisamos entender o conceito de “Graça Disciplinada” – É Graça por que é presente e é disciplinada porque há coisas que devem ser feitas por nós.
É bom que se saiba que o caminho da morte é transformar as Disciplinas em leis (Mt 23.4; 2Co 3. 6).
É tempo de mudarmos as coisas mudando a nós mesmos. “Todos pensam em mudar a humanidade e ninguém pensa em mudar a si mesmo”. (Leon Tostói).

O que estudaremos em Disciplinas Espirituais:
Disciplinas Interiores: Meditação, Oração, Jejum e Estudo.
Disciplinas Exteriores: Simplicidade, Solitude, Submissão e Serviço.
Disciplinas Associadas: Confissão, Adoração, Orientação e Celebração.

Estudos baseados no livro: “Celebração da Disciplina” de Richard J. Foster.