quarta-feira, 31 de julho de 2013

Boletim Informativo de Agosto de 2013 da Igreja presbiteriana de Nova Era - MG


Fortalecendo a Família - Solidão Nem Sempre é Um Problema


Somos parciais ao achar que a solidão é sempre má. Ela tem seu lado positivo! Existem momentos em que desejamos isolar-nos voluntariamente das pessoas e nem sempre isso é mau. Pode ser muito saudável ficar sozinho para alguma atividade ou para pensar um pouco na vida. Você começa e termina o seu isolamento, quando quiser.
A parte ruim da solidão acontece, quando nos vemos forçados a permanecer sozinhos. Não é algo agradável, mas penoso. Gostaríamos que ela terminasse logo, mas ela persiste, apesar de lutarmos contra ela. Neste caso, a solidão pode tornar-se um grave problema. Os motivos desta “parte má” da solidão são variados, a começar pelas exigências do mundo moderno, como:
- A competição no trabalho e nos estudos - que coloca os relacionamentos e amizades em segundo plano e as pessoas acabam por se isolar;
- As mudanças constantes - pessoas que por necessidade, mudam com frequência. Isto contribui para o esfriamento de amizades antigas e dificuldades com as situações novas. Frustradas, isolam-se;
- Causas psicológicas como: baixa autoestima, incapacidade de comunicarem-se, atitudes de hostilidade, medo do risco de rejeição, problemas de afetividade, etc. Muitas vezes estas pessoas precisam da ajuda profissional de médicos e psicólogos.
- A vida sentimental – certamente é uma das queixas mais frequentes dos solitários! Existem aqueles que estão “momentaneamente” solitários, quando vivem um espaço entre duas histórias de paixão.
O amor é um sentimento maravilhoso. Muitas pessoas, ao longo dos tempos, tentam descrevê-lo: músicos, poetas, filósofos, teólogos etc. Mas, apesar de tantas descrições importantes, verdadeiras e feitas a partir de diferentes pontos de vista, nenhuma é tão completa quanto vivenciar este tipo de amor: amar alguém e ser amado também.
Alguns destes solitários temem, porque já passaram por relacionamentos problemáticos no passado e não querem repeti-los no casamento. São pessoas que querem fazer a vontade de Deus e também escolher os companheiros certos, que valham a pena. Uma boa pedida é aproveitar este momento de solidão, para ouvir algumas “dicas” importantes:
- “Não deixe de trabalhar JUNTO com Deus, para escolher seu próximo amor”. Muitos desistem de esperar no Senhor e partem para “agarrar o (a) primeiro (a) que aparece” e se frustram mais ainda depois!
- “Avalie as QUALIDADES que deseja encontrar na pessoa amada”. É necessário ter bem definido em sua mente quais são os seus valores e não abrir mão deles. Escreva num papel cinco valores que você considera mais importantes em sua vida. Se ela ou ele der a mesma importância que você para esses valores, isso já é um bom início. Mas lembre de que isso é só o começo!
O futuro namoro tem o propósito de oferecer oportunidades para que os parceiros se conheçam mutuamente – descubra se a pessoa que você tem em vista, será a melhor companhia para o resto de sua vida. Para isso, não se deixe envolver apenas pelas emoções. Aproveite esse tempo com sabedoria e inteligência, para poder fazer uma boa escolha.
O QUE A BÍBLIA MOSTRA SOBRE A SOLIDÃO?
A Palavra de Deus se concentra em nos instruir e motivar, para que trabalhemos o nosso relacionamento com o Senhor e com as pessoas. Uma relação que se desenvolve de forma crescente com Deus e com os outros, torna-se a base para a solução do problema da solidão:
- Deus não quis que o homem permanecesse só - Gênesis 2:18: “Então o Senhor declarou: ‘Não é bom que o homem esteja só; farei para ele alguém que o auxilie e lhe corresponda’”.
- O propósito de Deus para o homem na Criação, não foi viver sozinho, mas conviver com muitos - Gênesis 1:28: “Deus os abençoou e lhes disse: ‘Sejam férteis e multipliquem-se! Encham e subjuguem a terra!... ’”.
- Muitos homens de Deus passaram por momentos de solidão, mas ela nunca é recomendada. Várias vezes, porém o Senhor dá suprimento aos Seus servos - (Gênesis 28:10-17; 39:20-23; 1Reis 19:3-18; Atos 7:30-36).

- Deus nos amou e nos enviou Jesus, para não permanecermos solitários, longe dEle. Somos instruídos a amarmos uns aos outros - 1João 4:9-12: “Foi assim que Deus manifestou o seu amor entre nós: enviou seu Filho Unigênito ao mundo, para que pudéssemos viver por meio dele. Nisto consiste o amor: não em que nós tenhamos amado a Deus, mas em que ele nos amou e enviou seu Filho como propiciação pelos nossos pecados”.
- Devemos levar as cargas uns dos outros - Gálatas 6:2: “Levem os fardos pesados uns dos outros e assim cumpram a lei de Cristo”.
- Devemos confessar os pecados e orar uns pelos outros - Tiago 5:16: “Portanto confessem os pecados uns aos outros e orem uns pelos outros para serem curados. A oração de um justo é poderosa e eficaz”.
- Devemos aconselhar-nos uns aos outros - Romanos 15:14: “Meus irmãos, eu mesmo estou convencido de que vocês estão cheios de bondade e plenamente instruídos, sendo capazes de aconselhar-se uns aos outros”.
- Não podemos isolar ou ter acepção de pessoas, mas devemos aceitarmo-nos - Tiago 2:1-13: “Meus irmãos, como crentes em nosso glorioso Senhor Jesus Cristo, não façam diferença entre as pessoas, tratando-as com parcialidade. (...) Se vocês de fato obedecerem à lei do Reino encontrada na Escritura que diz: ‘Ame o seu próximo como a si mesmo’, estarão agindo corretamente. Mas se tratarem os outros com parcialidade, estarão cometendo pecado (...)”.
- Precisamos nos acolher, como Cristo fez conosco - Romanos 15:7: “Portanto acolhei-vos uns aos outros, como também Cristo nos acolheu para a glória de Deus”.
- Precisamos suportar e perdoar em amor - Colossenses 3:13-14: “Suportem-se uns aos outros e perdoem as queixas que tiverem uns contra os outros. Perdoem como o Senhor lhes perdoou. Acima de tudo porém, revistam-se do amor que é o elo perfeito”.
CONSELHOS A UMA PESSOA “NEGATIVAMENTE” SOLITÁRIA
- Admitir que possa estar com um problema e que precisa de ajuda – o primeiro passo para a solução é admitir que existe um problema e que necessitamos de ajuda para resolvê-lo. Conversar com um amigo, conselheiro ou um terapeuta, pode ser uma experiência saudável e maravilhosa.
- Avaliar as possíveis causas desta solidão – algumas causas são temporárias, leves e passageiras; mas outras, podem necessitar a ajuda de um conselheiro profissional.
- Procurar compreender e aceitar, aquilo que não pode ser mudado – como, por exemplo, a perda de alguém querido; a impossibilidade de voltar para um lugar em que se foi extremamente feliz; algum dano físico irreversível. Devemos lembrar que a maravilhosa Graça e o grande Amor de Deus, sempre nos ajudarão a passar por esses momentos.
- Dispor-se a fazer mudanças, visando alterar o que é possível alterar – o que pode ser melhorado em nós deve ser encarado como um objetivo de aperfeiçoamento, para servirmos a Deus com excelência, através de tudo o que somos e realizamos.
Deus ama o solitário e está disponível para ajudá-lo. O Senhor irá responder ao seu clamor e poderá suprir suas necessidades, de várias formas: através de uma mensagem, de um livro, um conselheiro ou qualquer outra maneira, que o Espírito Santo queira usar. Seja sensível e faça sua parte dizendo: “Sim Senhor, eu quero a Sua ajuda!”.
Sl 68:5-6a: “Pai para os órfãos e defensor das viúvas é Deus em sua santa habitação. Deus dá um lar aos solitários ...” (NVI).
(Pr. Sergio e Psi. Magali Leoto)

A CAVERNA DO TESOURO‏


Uma mulher pobre passeava com seu filhinho num bosque quando ouviu um voz que vinha de dentro de uma caverna:
-“Aqui dentro há muito ouro, prata e pedras preciosas. Pegue o que quiser.
Meio desconfiada, olhou no interior da caverna e constatou que, de fato, ela estava recheada de tesouros insondáveis.
-“Posso mesmo pegar o que quiser”?
-“Sim, mas, você poderá encher apenas uma sacola e terá apenas dois minutos para escolher o que quer levar. Depois deste tempo, saia correndo, pois a caverna se fechará para sempre com tudo que ainda estiver aqui dentro”.
Premida pelo tempo e com tantas opções à sua frente, a mulher escolhia, juntava, trocava, destrocava, ajeitava os objetos na sacola, trocava novamente.
-“Agora você tem apenas 10 segundos… 9, 8, 7”…
Ela pegou mais umas pedras preciosas.
-“6, 5, 4”…
Pegou mais uma bandeja de ouro e saiu correndo.
Já do lado de fora, ainda teve tempo de assistir a entrada da caverna se transformando num imenso paredão de rocha. Olhou a sacola, avaliou o que havia conseguido juntar e concluiu que agora era uma mulher rica e iria poder dar ao seu filho uma vida melhor…
-“Meu Deus… meu filho! Meu filho, meu Deus, meu filho”…
Na correria, esqueceu seu filho dentro da caverna. Para sempre!
Não deixe a correria da vida fazê-lo se esquecer das pessoas que você ama.
“Seja a vossa vida isenta de ganância, contentando-vos com o que tendes; porque ele mesmo disse: Não te deixarei, nem te desampararei”. (Hebreus 13.5).

(Autor Desconhecido)

quinta-feira, 4 de julho de 2013