domingo, 30 de novembro de 2008

O CAVALO CEGO

'Aprendi que o jeito mais fácil de crescer como pessoa, é me cercar
de pessoas melhores que eu'

Os dois cavalos
Na estrada de minha casa há um pasto. Dois cavalos vivem lá. De
longe, parecem cavalos como os outros cavalos, mas, quando se olha bem,
percebe-se que um deles é cego. Contudo, o dono não se desfez dele e
arrumou-lhe um amigo - um cavalo mais jovem. Isso já é de se admirar.
Se você ficar observando, ouvirá um sino.
Procurando de onde vem o som, você verá que há um pequeno sino no pescoço do
cavalo menor.
Assim, o cavalo cego sabe onde está seu companheiro e vai até ele.
Ambos passam os dias comendo e no final do dia o cavalo cego segue o
companheiro até o estábulo. E você percebe que o cavalo com o sino está
sempre olhando se o outro o acompanha e, às vezes, pára para que o outro
possa alcançá-lo. E o cavalo cego guia-se pelo som do sino, confiante que o
outro o está levando para o caminho certo. Como o dono desses dois cavalos,
Deus não se desfaz de nós só porque não somos perfeitos, ou porque temos
problemas ou desafios. Ele cuida de nós e faz com que outras pessoas venham
em nosso auxílio quando precisamos.
Algumas vezes somos o cavalo cego guiado pelo som do sino daqueles
que Deus coloca em nossas vidas.
Outras vezes, somos o cavalo que guia, ajudando outros a encontrar
seu caminho.

E assim são os bons amigos. Você não precisa vê-los, mas eles estão
lá.

Por favor, ouça o meu sino. Eu também ouvirei o seu.

Viva de maneira simples,
Ame generosamente,
Cuide com devoção,
Fale com bondade....
Pense antes de agir para não se arrepender
E creia, deixando o resto para
Deus...

Autor desconhecido

sexta-feira, 28 de novembro de 2008

Musical de Natal 2008 da IP Nova Era

Aprendendo a Valorizar. Pequenos gestos podem revelar grandes questões

Vivemos em uma sociedade que está se tornando cada vez mais 'antropófaga', não no sentido de antropofagia literária e cultural da Semana de Arte Moderna de 1922. O ponto aqui são pessoas devorando-se mesmo, atropelando-se, sufocando-se mutuamente nos negócios, nas amizades, nas famílias e até nas igrejas. A competição e o ciúme selvagem têm drenado toda energia e a transformado em ácido que corrói os relacionamentos.
Se alguém recebe mais atenção, se torna alvo de inveja. E por outro lado, o invejado se sente superior, esquecendo-se de que a vida é como uma gangorra - quem sobe desce, e quem desce, sobe e as situações de inveja também se invertem.
E são esses os sentimentos nobres que habitam em nossos corações a maior parte do tempo. Mentira??? Verdade!!!
Não é agradável fazer esse 'Raio X', mas é necessário que tenhamos a conscientização, a percepção de nosso conteúdo para que possamos entender o motivo de Jesus ter vindo morrer na cruz por nós.
2 Coríntios 5.21 diz:
'Em Cristo não havia pecado. Mas Deus colocou sobre Cristo a culpa dos nossos pecados para que nós, em união com ele, vivamos de acordo com a vontade de Deus'.
Ou seja, enquanto acharmos que somos íntegros, puros, não vamos correr para a fonte do perdão: Jesus. Somente quando nos deparamos com a verdade sobre nós mesmos é que partimos em busca de uma solução. E essa solução já foi providenciada por Deus quando enviou seu próprio filho para nos substituir na cruz. Deus aceitou o sangue ali derramado. Resta-nos, então, estender as mãos e agarrar essa solução. Receber o que ele fez por nós, ser gratos e procurar viver de forma que o agrade. Esta, em resumo, é a doutrina da salvação.
Porém, não vivemos de forma contemplativa ocupando nossa mente só com esse assunto, apesar dele ser fascinante. A vida é prática, ativa. Como aplicar esse contexto no dia-a-dia? A salvação nos mostra que Deus nos ama, e nós devemos, também, demonstrar aos outros nossa apreciação por eles. Essa pode ser uma forma de 'praticar' esse princípio. E ao agirmos assim, estaremos incentivando as pessoas a adquirirem uma auto-estima saudável.
E aí, tocamos em um ponto polêmico. Há quem diga que não devemos incentivar essa área, porque já somos por natureza autocentrados e egoístas. Então, como ficamos?
A Bíblia, novamente, nos mostra o que fazer:
'Porque, pela graça que me foi dada, digo a cada um dentre vós que não pense de si mesmo além do que convém; antes, pense com moderação, segundo a medida da fé que Deus repartiu a cada um'.
Romanos 12.3
Moderação é a palavra chave, pois elimina as polarizações que formam os famosos complexos de inferioridade, ou superioridade. Ou seja: somos sim, miseráveis pecadores, mas Jesus veio do céu para nos salvar. Então, ao mesmo tempo em que reconhecemos nossa falha, entendemos que é exatamente ela que nos qualifica para a graça de Deus. E Ele veio porque nos amou como somos, como estamos, cheios de sentimentos desconexos e contradições.
Pode haver maior valorização do que essa? Somos especiais para Deus e quando vislumbramos seu amor temos de nos render à essa evidência.
Então, se Deus nos valorizou a esse ponto, nós também devemos valorizar os que estão ao nosso redor, sem medo de 'estragá-los'. E como podemos fazer isso? De forma bem prática e pragmática. Podemos olhar com o intuito de enxergar. Todos têm pontos positivos e negativos. Os negativos servem para que não nos vangloriemos, e os positivos para que elogiemos. Nossa tendência é reparar mais os negativos do que os positivos. Às vezes, é pela própria tendência da inveja, às vezes é por hábito, como quando fazemos uma revisão para corrigir os erros de português em um texto. Seja qual for o motivo, devemos pedir que Deus nos ajude a ver os pontos positivos e a verbalizá-los. Pessoas incentivadoras são cada vez mais raras, nesta época de egoísmo exacerbado.
Podemos nos treinar em detectar os pontos positivos e elogiá-los. Dessa forma, o ambiente em que estivermos inseridos poderá ficar mais agradável, pois pessoas incentivadas produzem mais e com isso se tornam mais realizadas e felizes.
Que possamos nos treinar a valorizar os que nos rodeiam, sejam familiares, colegas, amigos ou irmãos, pois...
'... como é boa a palavra certa, na hora certa!'
Provérbios 15.23.


Iara Vasconcellos
(www.larcristao.com.br)

GPS CELESTIAL

Leia: Provérbios 3:5
Confie no Senhor de todo o seu coração e não se apóie em seu próprio entendimento. Provérbios 3:5
Já me perdi muitas vezes dirigindo um carro. Não sou o único, pois a maioria dos motoristas também se perde muitas vezes. A sensação de não saber onde estamos e para onde ir não é nada agradável. Especialistas dizem que quando nos perdermos desperdiçamos nosso tempo, energia e recursos e muitas vezes nos expomos ao perigo. O conselho que nos dão é simples: antes de sair de casa devemos conferir se temos um mapa ou as direções corretas. Melhor ainda seria ter no carro um GPS, um pequeno aparelho conectado aos satélites que indica exatamente onde você está. Neste mês, vamos refletir sobre a nossa jornada espiritual: seu ponto de partida e seu destino, suas curvas acentuadas e atrasos, seus desafios e bênçãos. E a primeira sugestão para iniciar uma jornada de fé bem sucedida é esta: “Confie no Senhor de todo o seu coração e não se apóie em seu próprio entendimento.” A Bíblia com freqüência chama o Senhor de nosso Pastor. Poderíamos hoje dizer que Ele é o nosso GPS. Se confiarmos nesse GPS, nunca nos perderemos!Há métodos alternativos e mapas, os mais estranhos, para nos guiar na jornada da vida. Não confie em nenhum deles, nem na sua própria intuição. Confie o Senhor e siga somente Ele.
Pense:
Quem vive sem rumo não ruma para lugar nenhum.
Ore:
Pai amado, sem tua direção ficamos perdidos. Por isso, nos voltamos para ti, em busca de sabedoria e rumo para nossas vidas. Guia-nos em nossa jornada espiritual. Em nome de Jesus. Amém. Aniversariantes


Fonte: http://www.lpc.org.br/lpc2006/

A Águia

A águia é a ave que possui a maior longevidade da espécie. Chega a viver cerca de 70 anos. Porem, para chegar a essa idade, aos 40 anos, ela precisa tomar uma séria e difícil decisão.
Aos 40 anos, suas unhas estão compridas e flexíveis e já não conseguem mais agarrar as presas, das quais se alimenta.
O bico, alongado e pontiagudo, se curva. Apontando contra o peito, estão as asas, envelhecidas e pesadas, em função da grossura das penas e, voar, aos 40 anos, já é bem difícil!
Nessa situação a águia só tem duas alternativas: Deixar-se morrer... Ou enfrentar um dolorido processo de renovação que irá durar 150 dias.
Esse processo consiste em voar para o alto da montanha e lá se recolher, em um ninho que esteja próximo a um paredão. Um lugar de onde, para retornar, ela necessite dar um vôo firme e pleno.
Ao encontrar esse lugar, a águia começa a bater o bico contra a parede até conseguir arrancá-lo, enfrentando corajosamente a dor que essa atitude acarreta.
Espera nascer um novo bico, com qual irá arrancar as velhas unhas. Com as novas unhas ela passa a arrancar as velhas penas. E só após cinco meses, renascida, sai para o famoso vôo de renovação, para viver, então por mais 30 anos.
Muitas vezes, em nossas vidas temos que nos resguardar por algum tempo, e começar um processo de renovação. Devemos nos desprender dás (más) lembranças, (maus) costumes, e outras situações que nos causam dissabores, para que continuemos a voar. Um vôo de vitória. Somente quando livres do peso do passado (pesado), poderemos aproveitar o resultado valioso que uma renovação sempre traz.
Destrua, pois o bico do ressentimento, arranque as unhas do medo, retire as penas das suas asas dos maus pensamentos e alce um lindo vôo para uma nova vida. Um vôo de vida nova e feliz.

Para Que o Culto Seja Edificante:

1. Procure chegar uns minutos antes do culto para que você possa se preparar para o que Deus fará e para adorá-Lo. Muitos chegam na hora, ou atrasados, e perdem esse tempo de preparação.
2. Ao chegar procure os primeiros lugares. Os últimos bancos são para os visitantes que podem ficar constrangidos se tiverem que atravessar toda a Igreja para achar lugar.
3. Ao tomar seu lugar dedique-se a oração (“O que o Senhor requer de mim?”). Guarde as conversas para após o culto. Aproveite esse tempo para pedir ao Santo Espírito que o ajude a se desligar das coisas cotidianas e a se preocupar com o serviço do Senhor.
4. Evite barulho antes do culto, pois isso pode prejudicar a preparação de seu irmão.
5. Dirija-se a Igreja crendo e esperando grandes coisas da parte do Senhor. Se tiver fé você verá. Se não acreditar as coisas acontecerão e só você não verá.
6. Procure não andar durante o trabalho. Só saia em casos extremos e eduque as crianças no mesmo sentido (ir ao banheiro, beber água... faça tudo isso antes do culto). Manter seus filhos juntos a você na Igreja é um modo de ensiná-los para que não andem e aprendam a se portar no culto devido a Deus.
7. Iniba conversas paralelas e dê toda a sua atenção ao Senhor e a Sua Palavra.
8. Adore de todo o coração e com alegria. Atenda ao que o dirigente te convida a fazer e faça entendendo que há um propósito para tudo no culto devido a Deus.
9. Não deixe que nada desvie sua atenção da pregação. Lembre-se: Deus está falando diretamente com você.
10. Sempre peça ao Senhor auxílio para que você coloque em prática o que ouviu.
11. Ao terminar o culto permaneça com os irmãos, converse, exercite a comunhão, acolha o visitante (tudo isso sempre com alegria).
12. Convide as pessoas, sempre, para estarem na Igreja.
13. Conte a todos como Deus tem agido poderosamente em nossa Igreja.


Juberto Oliveira da Rocha Júnior
Seu Pastor

“Para Pensar...”

Hoje existem edifícios mais altos e estradas mais largas, porém temperamentos pequenos e pontos de vista mais estreitos.
Gastamos mais, porém desfrutamos menos.
Temos casas maiores, porém famílias menores.
Temos mais compromissos, porém menos tempo.
Temos mais conhecimentos, porém menos discernimento.
Temos mais remédios, porém menos saúde.
Multiplicamos nossos bens, porém reduzimos nossos valores humanos.
Falamos muito, amamos pouco e odiamos demais.
Chegamos à Lua, porém temos problemas para atravessar a rua e conhecer nosso vizinho.
Conquistamos o espaço exterior, porém não o interior.
Temos dinheiro, porém menos moral...
É tempo de mais liberdade, porém de menos alegrias...
Tempo de mais comida, porém menos vitaminas...
Dias em que chegam dois salários em casa, porém aumentam os divórcios.
Dias de casas mais lindas, porém de lares desfeitos.
Por tudo isso, proponho que de hoje e para sempre...
Você não deixe nada “para uma ocasião especial”, porque cada dia que você viver será uma ocasião especial.
Procure Deus, conheça-O, leia mais, sente na varanda e admire a paisagem sem se importar com as tempestades.
Passe mais tempo com sua família e com seus amigos, coma sua comida preferida, visite os lugares que ama.
A vida é uma sucessão de momentos para serem desfrutados, não apenas para sobreviver.
Use suas taças cristal, não guarde seu melhor perfume, é bom usá-lo cada vez que sentir vontade.
As frases “Um desses dias”, “Algum dia”, elimine-as de seu vocabulário.
Escreva aquela carta que pensava escrever “Um desses dias”.
Digamos a nossos familiares e amigos o quanto os amamos.
Por isso não protele nada daquilo que somaria a sua vida sorrisos e alegria.
Cada dia, hora e minuto são especiais... e você não sabe se será o último...
Se você anda muito ocupado. Pense que “um desses dias” pode estar muito longe ou pode ser que nunca chegue...

MAGIA

Deuteronômio 18:9-14

Estas nações... ouvem os... adivinhadores; porém a ti o Senhor, teu Deus, não permitiu tal coisa. Deuteronômio 18:14
________________________________________
Magia não é coisa dos selvagens primitivos, nem foi varrida da terra pela ciência, técnica e progresso. Basta observar no dia-a-dia quantas pessoas carregam amuletos, consultam horóscopos, ou evitam certas práticas ou costumes “que dão azar”, e quantas pessoas jogam em loterias, na esperança de ganhar uma fortuna num lance de sorte. A Bíblia jamais condenou a ciência e a tecnologia. Não condenou o espírito da pesquisa e o controle dos recursos naturais postos a serviço da humanidade. Mas não deixou espaço para a magia, antes a condenou. Moisés, encontrou oposição dos magos no Egito, os quais, porém, se viram obrigados a reconhecer o poder de Deus (Êxodo 8:19). Daniel, ao interpretar os sonhos do rei, declarou que os magos não poderiam fazê-lo (Daniel 2:27). Simão, o mago, viu os prodígios realizados por Pedro e teve inveja, reconhecendo a sua limitação (Atos 8:9-13). Em Éfeso, muitos pagãos que praticavam artes mágicas se converteram com a pregação de Paulo e, “reunindo os seus livros, os queimaram diante de todos” (Atos 19:19). Assim é que a Bíblia considera a magia, as adivinhações, as ciências ocultas e nos ensina que devemos tratá-las como obra demoníaca que é. Foi muito significativa a fogueira de Éfeso.
________________________________________
Pense:
Magia, adivinhação, necromancia, são em geral produtos da ignorância e desaparecem com o conhecimento.
Ore:
Agradecemos-te, Senhor amado, porque a luz do teu Espírito nos tirou das trevas e nos liberou das superstições e da ação de qualquer força ou poder do mal. Em nome de Jesus. Amém.

Cada Dia (http://www.lpc.org.br)

A Regra dos Três Minutos

(3Jo)
Hospitalidade! Característica imprescindível que deve ser exercitada por todo o crente. Na Bíblia “muitos sem saber hospedaram anjos” e foram por isso abençoados. Devemos aprender a acolher, receber, abrigar, hospedar, agrupar, ajuntar, incluir... aqueles que são alegremente recebidos sempre ficarão conosco.
Por esta razão temos uma nova regra: A REGRA DOS TRÊS MINUTOS (ela é ótima). Após todos os trabalhos de nossa Igreja você terá três minutos para se aproximar e conversar com uma pessoa que você não conhece, ou com quem você não tenha comunhão.
Para quem vale essa regra? Para toda a Igreja. Crianças devem procurar crianças. Jovens devem colar em jovens. Adolescentes devem grudar nos adolescentes que nos visitam. Homens e mulheres idem. Uma Igreja hospedeira e simpática é uma Igreja que cresce.
Idéias para receber bem:
• Receba com alegria e sorriso. Sempre procure para cumprimentar e dê atenção;
• Convide o visitante para a cantina e ofereça-se para pagar um lanche (lembre-se de que o visitante pode estar desprevenido);
• Ofereça-se para cuidar desse visitante.
Desenvolva-se nesta área! A Igreja Primitiva crescia pelo Poder do Espírito e por “contar com a simpatia dos de fora”. O Senhor nos tem dado coisas novas e temos que derramar essa Graça sobre o mundo.
(Rev. Juberto Oliveira da Rocha Júnior)

De mim Procede o Teu Fruto

Oséias 14. 8

Nosso fruto procede de nossa união com Deus. O fruto do galho tem sua origem diretamente veiculada a raiz. Quando cortamos a ligação do galho, este morre e não produz nenhum fruto. Pela virtude de nossa união com Cristo produzimos fruto. Todo cacho de uvas esteve primeiramente na raiz. Passou pelo tronco, seguiu pelos vasos de seiva, moldando-se exteriormente em um fruto. De modo semelhante, toda boa obra do crente estava primeiramente em Cristo e, posteriormente, foi produzida em nós.
Crente, valorize esta preciosa união com Cristo, visto que ela tem de ser a fonte de toda a fertilidade que você espera conhecer. Nosso fruto vem das providências espirituais de Deus. Quando as gotas de orvalho caem do céu; quando lá de cima as nuvens olham para baixo e estão quase destilando seu tesouro líquido, quando o sol brilhante faz crescer os frutos do cacho, cada benção celeste pode sussurrar para a árvore: “De mim procede o teu fruto”... Oh! Quanto devemos a providência e à Graça de Deus! Constantemente, Ele nos dá ânimo, ensino, consolação, fortalecimento e tudo o que necessitamos. Disso resulta toda a nossa utilidade e eficácia.

C. H. Spurgeon

EVANGELHO PARA TODOS

"Apelo para César!"... "Para César irá!"
Atos 25:11-12
Leia: Atos 25:11-12
O estúdio de televisão Vermont produziu um filme, há alguns anos, que fez muito sucesso. Trata-se da história de um fazendeiro, chamado Fred Tuttle, que foi a Washington para compartilhar com o povo da capital um pouco de sabedoria. Fez isso com a mesma técnica que tinha usado para adubar sua terra durante 50 anos. Esse filme fez tanto sucesso que nas eleições seguinte o ator que interpretou Fred foi eleito senador!
Achamos fascinante quando pessoas simples trazem sabedoria para as grandes cidades do mundo. Será que isso realmente pode acontecer? A resposta certa é: depende da natureza dessa sabedoria!
Ao apelar para César, Paulo não pensava apenas em buscar justiça para si mesmo. Aqueles que o mantiveram preso disseram que se ele não tivesse apelado para César poderia ter sido libertado (Atos 26:32). Mas, Paulo apelou para César porque tinha que ser assim. Paulo deveria dar testemunho de Cristo diante da autoridade mais poderosa de sua época.
Diante do presidente ou do cidadão mais simples, quando a oportunidade surgir, os cristãos não devem sentir vergonha de falar de Cristo e ter a ousadia de impor exigências à sociedade. Afinal, todo governo recebe poder do próprio Cristo.
Pense: Todo mundo precisa ouvir o Evangelho, mas a maioria não quer ouvir.
Ore: Pai, perdoa-nos por acharmos que nossa fé é assunto pessoal e particular e nos esquecermos de que a tua Lei se estende a todos. Que a tua Palavra modele as nações para que haja justiça e paz.
Em nome de Jesus. Amém
(Fonte: Cada Dia – fevereiro de 2006 – www.lpc.org.br)

Deus não é difícil

Deus não é difícil! Mesmo sendo alto demais, majestoso demais, santo demais, glorioso demais, poderoso demais, temível demais.
Deus não se esconde! Ele se deixa achar, se deixa encontrar. Está escrito com muita clareza: “Se [vocês] o buscarem, ele deixará que o encontrem” (2Cr 15.2).
Talvez seja uma novidade para muita gente, talvez seja um segredo ainda não descoberto, mas, de fato, Deus é acessível! Em qualquer lugar , qualquer ocasião, em qualquer circunstância. A porta dos céus está sempre aberta. Não há necessidade de credencial, de carta de apresentação, de salvo-conduto, de passaporte, de intermediários. A única dificuldade é a falta de interesse, a falta de iniciativa, a falta de vontade, a falta de coragem, a falta de sinceridade.
O mesmo texto que ousa afirmar que Deus não é difícil encoraja a iniciativa, a quebra de gelo, a busca, a procura. Numa linguagem sem rodeios o contrário de busca é abandono. Daí a clareza do texto: “Se [vocês] o buscarem, ele deixará que o encontrem, mas, se o abandonarem, ele os abandonará” (2Cr 15.2). O verbo buscar, no sentido de correr atrás de Deus, aparece cinco vezes nesse capítulo (15.2, 4, 12, 13, 15) e em várias outras passagens das Escrituras. Uma das mais conhecidas é esta: “Busquem o Senhor enquanto é possível achá-lo; clamem por ele enquanto está perto” (Is 55.6).
Na época do rei Asa (906 a 878 AC), bisneto de Salomão, os israelitas “fizeram um acordo de todo o coração e de toda a alma de buscar o Senhor, o Deus de seus antepassados”. E, de fato, “eles buscaram a Deus com a melhor disposição; ele deixou que o encontrassem e lhes concedeu paz em suas fronteiras” (2 Cr 15.12, 15). Uma das características de Josafá (877 a 853 AC), filho de Asa, é que ele soube buscar o Senhor de todo o coração (2 Cr 17.4; 19.3; 22.9).
Mesmo sendo uma rotina que se celebra de 12 em 12 meses, a entrada de um novo ano sempre traz em seu bojo um desafio novo ou a renovação de um desafio não alcançado no ano anterior. A firme decisão de buscar o Senhor “com a melhor disposição” poderá tornar 2007 o melhor ano de nossas vidas! Vamos enfiar dentro da cabeça e do coração que Deus não difícil.

(Ultimato – jan. e fev. 2007, pág. 4)

terça-feira, 25 de novembro de 2008

A aula

Relata a Sra. Thompson, que no seu primeiro dia de aula parou em frente aos seus alunos da 5a. série primária e, como todos os demais professores, lhes disse que gostava de todos por igual. No entanto, ela sabia que isto era quase impossível, já que na primeira fila estava sentado um pequeno garoto chamado Teddy. A professora havia observado que ele não se dava bem com os colegas de classe e muitas vezes suas roupas estavam sujas e cheiravam mal. Houve até momentos em que ela sentia prazer em lhe dar notas vermelhas ao corrigir suas provas e trabalhos.
Ao iniciar o ano letivo, era solicitado a cada professor que lesse com atenção a ficha escolar dos alunos, para tomar conhecimento das anotações feitas em cada ano. A Sra. Thompson deixou a ficha de Teddy por último. Mas quando a leu foi grande a sua surpresa. A professora do 1o. ano escolar de Teddy havia anotado o seguinte: Teddy é um menino brilhante e simpático. Seus trabalhos sempre estão em ordem e muito nítidos. Tem bons modos e é muito agradável estar perto dele.
A professora do 2o. ano escreveu: Teddy é um aluno excelente e muito querido por seus colegas, mas tem estado preocupado com sua mãe que está com uma doença grave e desenganada pelos médicos. A vida em seu lar deve estar sendo muito difícil.
Da professora do 3o. ano constava a anotação seguinte: A morte de sua mãe foi um golpe muito duro para Teddy. Ele procura fazer o melhor, mas seu pai não tem nenhum interesse e logo sua vida será prejudicada se ninguém tomar providências para ajudá-lo.
A professora do 4o. ano escreveu: Teddy anda muito distraído e não mostra interesse algum pelos estudos. Tem poucos amigos e muitas vezes dorme na sala de aula.
A Sra. Thompson se deu conta do problema e ficou terrivelmente envergonhada. Sentiu-se ainda pior quando se lembrou dos presentes de Natal que os alunos lhe haviam dado, envoltos em papéis
coloridos, exceto o de Teddy, que estava enrolado num papel marrom de supermercado. Lembra-se de que abriu o pacote com tristeza, enquanto os outros garotos riam ao ver uma pulseira faltando algumas pedras e um vidro de perfume pela metade. Apesar das piadas ela disse que o presente era precioso e pôs a pulseira no braço e um pouco de perfume sobre a mão. Naquele dia Teddy ficou um pouco mais de tempo na escola do que o de costume. Lembrou-se ainda, que
Teddy lhe disse que ela estava cheirosa como sua mãe.
Naquele dia, depois que todos se foram, a professora Thompson chorou por longo tempo... Em seguida, decidiu-se a mudar sua maneira de ensinar e passou a dar mais atenção aos seus alunos, especialmente a Teddy. Com o passar do tempo ela notou que o garoto só melhorava. E quanto mais ela lhe dava carinho e atenção, mais ele se animava. Ao finalizar o ano letivo, Teddy saiu como o melhor da classe. Um ano mais tarde a Sra. Thompson recebeu uma notícia em que Teddy lhe dizia que ela era a melhor professora que teve na vida.
Seis anos depois, recebeu outra carta de Teddy contando que havia concluído o segundo grau e que ela continuava sendo a melhor professora que tivera.
As notícias se repetiram até que um dia ela recebeu uma carta assinada pelo Dr. Theodore Stoddard, seu antigo aluno, mais conhecido como Teddy.
Um dia a Sra. Thompson recebeu outra carta, em que Teddy a convidava para seu casamento e noticiava a morte de seu pai. Ela aceitou o convite e o dia do casamento estava usando a pulseira que ganhou de Teddy anos antes, e também o perfume.
Quando os dois se encontraram, abraçaram-se por longo tempo e Teddy lhe disse ao ouvido: - Obrigado por acreditar em mim e me fazer sentir importante, demonstrando-me que posso fazer a diferença. Mas ela, com os olhos banhados em pranto sussurrou baixinho: - Você está enganado! Foi você que me ensinou que eu podia fazer a diferença, afinal eu não sabia ensinar até que o conheci.

Autor Desconhecido

PAI NOSSO...

Se em minha vida não ajo como filho de Deus, fechando meu coração ao amor. Será inútil dizer:
PAI NOSSO
Se os meus valores São representados pelos bens da terra. Será inútil dizer:
QUE ESTAIS NO CÉU
Se penso apenas em ser cristão por medo, superstição e comodismo. Será inútil dizer:
SANTIFICADO SEJA O TEU NOME
Se acho tão sedutora a vida aqui, cheia de supérfulos e futilidades. Será inútil dizer:
VENHA A NÓS O VOSSO REINO
Se não importo em ferir, injustiçar, oprimir e magoar aos que atravessam o meu caminho. Será inútil dizer:
PERDOAI AS NOSSAS DÌVIDAS, ASSIM COMO NÓS PERDOAMOS OS NOSSOS DEVEDORES
Se escolho sempre o caminho mais fácil, que nem sempre é o caminho do Cristo. Será inútil dizer:
E NÃO DEIXEIS CAIR EM TENTAÇÃO
Se por minha vontade procuro os prazeres materiais e tudo o que é proibido me seduz. Será inútil dizer:
LIVRAI-NOS DO MAL...
Se sabendo que sou assim, continuo me omitindo e nada faço para me modificar Será inútil dizer:
AMÉM.

O CESTO E A ÁGUA

Um discípulo chegou para seu mestre e perguntou:
- Mestre, por que devemos ler e decorar a Palavra de Deus se nós não conseguimos memorizar tudo e com o tempo acabamos esquecendo? Somos obrigados a constantemente decorar de novo o que já esquecemos.
O mestre não respondeu imediatamente ao seu discípulo. Ele ficou olhando para o horizonte por alguns minutos e depois ordenou ao discípulo:
- Pegue aquele cesto de junco, desça até o riacho, encha o cesto de água e traga até aqui.
O discípulo olhou para o cesto sujo e achou muito estranha a ordem do mestre, mas, mesmo assim, obedeceu. Pegou o cesto, desceu os cem degraus da escadaria do mosteiro até o riacho, encheu o cesto de água e começou a subir.
Como o cesto era todo cheio de furos, a água foi escorrendo e quando chegou até o mestre já não restava nada. O mestre perguntou-lhe:
- Então, meu filho, o que você aprendeu?
O discípulo olhou para o cesto vazio e disse, jocosamente:
- Aprendi que cesto de junco não segura água.
O mestre ordenou-lhe que repetisse o processo. Quando o discípulo voltou com o cesto vazio novamente, o mestre perguntou-lhe:
- Então, meu filho, e agora, o que você aprendeu?
O discípulo novamente respondeu com sarcasmo:
- Que cesto furado não segura água.
O mestre, então, continuou ordenando que o discípulo repetisse a tarefa. Depois da décima vez, o discípulo estava desesperadamente exausto de tanto descer e subir as escadarias. Porém, quando o mestre lhe perguntou de novo:
- Então, meu filho, o que você aprendeu?
O discípulo, olhando para dentro do cesto, percebeu admirado:
- O cesto está limpo! Apesar de não segurar a água, a repetição constante de encher o cesto acabou por lavá-lo e deixá-lo limpo.
O mestre, por fim, concluiu:
- Não importa que você não consiga decorar todas as passagens da Bíblia que você lê, o que importa, na verdade, é que, no processo, a sua mente e a sua vida ficam limpas diante de Deus.

Autor do Texto – Desconhecido


“O Senhor te abençoe e te guarde! O Senhor te mostre a sua face e conceda-te sua graça! O Senhor volva o seu rosto para ti e te dê a paz”!
(Números 6,24-26)

Rito de Passagem dos Índios Cherokees

Você conhece a lenda do rito de passagem da juventude dos índios Cherokees?

O pai leva o filho para a floresta durante o final da tarde, venda-lhe os olhos e deixa-o sozinho.
O filho se senta sozinho no topo de um montanha toda a noite e não pode remover a venda até os raios do sol brilharem no dia seguinte.
Ele não pode gritar por socorro para ninguém.
Se ele passar a noite toda lá, será considerado um homem.
Ele não pode contar a experiência aos outros meninos porque cada um deve tornar-se homem do seu próprio modo, enfrentando o medo do desconhecido.
O menino está naturalmente amedrontado.
Ele pode ouvir toda espécie de barulho.
Os animais selvagens podem, naturalmente, estar ao redor dele.
Talvez alguns humanos possam feri-lo.
Os insetos e cobras podem vir pica-lo.
Ele pode estar com frio, fome e sede.
O vento sopra a grama e a terra sacode os tocos, mas ele se senta estoicamente, nunca removendo a venda.
Segundo os Cherokees, este é o único modo dele se tornar um homem.
Finalmente.. .
Após a noite horrível, o sol aparece e a venda é removida.
Ele então descobre seu pai sentado na montanha perto dele.
Ele estava a noite inteira protegendo seu filho do perigo.




Nós também nunca estamos sozinhos!
Mesmo quando não percebemos
Deus está olhando para nós, 'sentado ao nosso lado'.
Quando os problemas vêm, tudo que temos a fazer é confiar que ELE está nos protegendo.

Evite tirar a sua venda antes do amanhecer...



Moral da história:

Apenas porque você não vê
Deus, não significa que Ele nao esteja conosco.



Salmos 118.8

'É melhor refugiar-se no Senhor do que confiar no homem.'

Aborto - Pense Nisso

'Doutor, o senhor terá de me ajudar num problema muito sério. Este meu bebê ainda não completou um ano e estou grávida novamente.
Não quero filhos em tão curto espaço de tempo, mas sim num espaço grande entre um e outro. E então o médico perguntou:
- Muito bem. E o quê a senhora quer que eu faça?
A mulher, já esperançosa, respondeu:
- Desejo interromper esta gravidez e conto com a ajuda do senhor.
O médico então pensou um pouco e depois do seu silêncio disse a mulher:
- Acho que tenho um método melhor para solucionar o problema. E é menos perigoso para a senhora.

A mulher sorriu, acreditando que o médico aceitaria seu pedido.
E então ele completou:

- Veja bem, minha senhora, para não ter de ficar com os dois bebês de uma vez, em tão curto espaço de tempo, vamos matar este que está em seus braços.

Assim, o outro poderá nascer. Se o caso é matar, não há diferença para mim entre um e outro. Até porque sacrificar este que a senhora tem nos braços é mais fácil, pois a senhora não correrá nenhum risco.

A mulher apavorou-se e disse:

- Não doutor! Que horror! Matar uma criança é um crime!

O médico sorriu e, depois de algumas considerações, viu que a sua lição surtira efeito. Convenceu a mãe que não há menor diferença entre matar a criança já nascida e matar uma criança ainda por nascer, mas viva no seio materno.

Alimentando as Ovelhas ou Divertindo os Bodes?

Existe um mal entre os que professam pertencer aos arraiais de Cristo, um mal tão grosseiro em sua imprudência, que a maioria dos que possuem pouca visão espiritual dificilmente deixarão de perceber. Durante as últimas décadas, esse mal tem se desenvolvido em proporções anormais. Tem agido como o fermento, até que toda a massa fique levedada. O diabo raramente criou algo mais perspicaz do que sugerir à igreja que sua missão consiste em prover entretenimento para as pessoas, tendo em vista ganhá-las para Cristo. A igreja abandonou a pregação ousada, como a dos puritanos; em seguida, ela gradualmente amenizou seu testemunho; depois, passou a aceitar e justificar as frivolidades que estavam em voga no mundo, e no passo seguinte, começou a tolerá-las em suas fronteiras; agora, a igreja as adotou sob o pretexto de ganhar as multidões.
Minha primeira contenção é esta: as Escrituras não afirmam, em nenhuma de suas passagens, que prover entretenimento para as pessoas é uma função da igreja. Se esta é uma obra cristã, por que o Senhor Jesus não falou sobre ela? “Ide por todo o mundo e pregai o evangelho a toda criatura” (Mc 16.15) — isso é bastante claro. Se Ele tivesse acrescentado: “E oferecei entretenimento para aqueles que não gostam do evangelho”, assim teria acontecido. No entanto, tais palavras não se encontram na Bíblia. Sequer ocorreram à mente do Senhor Jesus. E mais: “Ele mesmo concedeu uns para apóstolos, outros para profetas, outros para evangelistas e outros para pastores e mestres” (Ef 4.11). Onde aparecem nesse versículo os que providenciariam entretenimento? O Espírito Santo silenciou a respeito deles. Os profetas foram perseguidos porque divertiam as pessoas ou porque recusavam-se a fazê-lo? Os concertos de música não têm um rol de mártires.
Novamente, prover entretenimento está em direto antagonismo ao ensino e à vida de Cristo e de seus apóstolos. Qual era a atitude da igreja em relação ao mundo? “Vós sois o sal”, não o “docinho”, algo que o mundo desprezará. Pungente e curta foi a afirmação de nosso Senhor: “Deixa aos mortos o sepultar os seus próprios mortos” (Lc 9.60). Ele estava falando com terrível seriedade! Se Cristo houvesse introduzido mais elementos brilhantes e agradáveis em seu ministério, teria sido mais popular em seus resultados, porque seus ensinos eram perscrutadores. Não O vejo dizendo: “Pedro, vá atrás do povo e diga-lhe que teremos um culto diferente amanhã, algo atraente e breve, com pouca pregação. Teremos uma noite agradável para as pessoas. Diga-lhes que com certeza realizaremos esse tipo de culto. Vá logo, Pedro, temos de ganhar as pessoas de alguma maneira!” Jesus teve compaixão dos pecadores, lamentou e chorou por eles, mas nunca procurou diverti-los. Em vão, pesquisaremos as cartas do Novo Testamento a fim de encontrar qualquer indício de um evangelho de entretenimento. A mensagem das cartas é: “Retirai-vos, separai-vos e purificai-vos!” Qualquer coisa que tinha a aparência de brincadeira evidentemente foi deixado fora das cartas. Os apóstolos tinham confiança irrestrita no evangelho e não utilizavam outros instrumentos. Depois que Pedro e João foram encarcerados por pregarem o evangelho, a igreja se reuniu para orar, mas não suplicaram: “Senhor, concede aos teus servos que, por meio do prudente e discriminado uso da recreação legítima, mostremos a essas pessoas quão felizes nós somos”. Eles não pararam de pregar a Cristo, por isso não tinham tempo para arranjar entretenimento para seus ouvintes. Espalhados por causa da perseguição, foram a muitos lugares pregando o evangelho. Eles “transtornaram o mundo”. Essa é a única diferença! Senhor, limpe a igreja de todo o lixo e baboseira que o diabo impôs sobre ela e traga-nos de volta aos métodos dos apóstolos.
Por último, a missão de prover entretenimento falha em conseguir os resultados desejados. Causa danos entre os novos convertidos. Permitam que falem os negligentes e zombadores, que foram alcançados por um evangelho parcial; que falem os cansados e oprimidos que buscaram paz através de um concerto musical. Levante-se e fale o alcoólatra para quem o entretenimento na forma de drama foi um elo no processo de sua conversão! A resposta é óbvia: a missão de prover entretenimento não produz convertidos verdadeiros. A necessidade atual para o ministro do evangelho é uma instrução bíblica fiel, bem como ardente espiritualidade; uma resulta da outra, assim como o fruto procede da raiz. A necessidade de nossa época é a doutrina bíblica, entendida e experimentada de tal modo, que produz devoção verdadeira no íntimo dos convertidos.



Charles H. Spurgeon (1834 – 1892)

segunda-feira, 24 de novembro de 2008

Música na Igreja

Cl 3.16

Leitura Diária
S – Sl 92; Q – Lc 1. 46-55
T – Sl 95; S – Ap 15. 2-4
Q – Sl 98; S – Ap 16. 4-7
D – Sl 100

A música é uma das maiores dádivas de Deus ao Homem. A Igreja tem uma preciosidade enorme em seus salmos, hinos e cânticos espirituais. Cantar é um imperativo natural da Igreja, pois esta é o povo convocado de Deus para sua comunhão, na qual a música é uma forma poderosa de manifestação de louvor e adoração. Então, toda a Igreja deve cantar, não sendo bom que haja espectadores, pois neste momento é que encontramos uma das melhores e mais completa forma de participação coletiva no culto.
I – O moderno louvor na Igreja
Por que será que, na maioria das vezes (quase sempre), jovens é que dirigem louvores? Outros devem tomar parte neste ministério, dês de que tenham habilidade para conduzir os cânticos.
Mas que é louvor hoje? Sabemos que, do modo como é praticado na Igreja moderna é novidade. A Igreja antiga não o conheceu. “Louvor” ou “Momento de Louvor” hoje é um momento no culto em que a Igreja é dirigida por uma equipe que ministra os modernos cânticos. Seria isso errado? Não. O problema é que alguns não gostam de cantar os hinos “tradicionais” e naquele momento de louvor, tais hinos são excluídos – eis a metade do problema.
Há também os mais velhos que não gostam dos cânticos modernos e ainda que fiquem nos bancos não participam dos cânticos. – eis a outra metade do problema.
A liturgia no culto não pode ser fracionada, pois o culto é um serviço completo que prestamos a Deus. Logo, todas as partes são importantes.
Para muitos de nossos irmãos mais “velhos” cantar um cântico avulso é um sacrilégio. Estão errados, há cânticos espirituais ou corinhos que são verdadeiras preciosidades, suas letras são citações bíblicas ( Ó Profundidade das Riquezas; Quem nos Separará; Jesus Riscou a Cédula).
Ë correto preparar uma liturgia com corinhos e hinos só para agradar jovens e velhos? Não!!! A motivação deve ser somente Deus. Ao preparar a liturgia devemos nos fazer as seguintes indagações: Por que cantar este cântico ou este hino? Ele se encaixa no propósito do culto. Isso regado a oração.
Em Cl 3. 16 o apóstolo Paulo encana que havia na igreja 3 formas de expressão musical: Salmos, Hinos e Cânticos Espirituais. Os Salmos do Antigo Testamento cantados com instrumentos de cordas e eram mais formais; Os hinos e os cânticos espirituais eram músicas mais imformais. Atualmente, não há como fazer distinção entre o hino e os cânticos. Mas podemos dizer que os hinos são aqueles cânticos formais e tradicionais da Igreja e os cânticos são as canções menos formais.
O mais importante é que a Igreja toda cante, seja um hino ou um cântico. O culto todo deve ser louvor ao Senhor.
Por que Cantar
Para Instruir – Dt 32. 1-47; Ex 15. 1-19.
Para manifestar alegria – Ex 15.
Para nos encher-mos do Espírito Santo – Ef 5. 18-19.
A igreja sempre cantou. No VT os hinos estão muito presentes na adoração, acompanhados quase sempre por instrumentos musicais. Após a passagem do mar Vermelho o povo cantou e dançou liderados por Miriã (Ex 15). Davi escreveu hinos, inventou instrumentos musicais e cantou muitos salmos. Havia no Templo pessoas cujo ministério exclusivo era a música no culto (1Cr 16. 4-7; 41-42). O nascimento de Jesus Cristo foi anunciado com música. Jesus juntou a sua voz a dos apóstolos em cântico quando instituiu a Ceia (Mt 26. 30).

A Unção

Tiago 5. 14

Leitura Diária
S- Lv 8. 1-12 – O óleo sagrado era usado para a consagração do Sumo Sacerdote.
T- 1ºRs 10. 1-10 – Usado para a consagração de reis.
Q- 1ºSm 16. 1-13.
Q- 1ºRs 19. 1-18.
S- Ex 30. 29-33 -
S- Tg 5. 14.
D- tt 3. 1-9.

Ensina a Bíblia que todo o enfermo deve ser ungido com óleo? Se ensina, que tipo de unção deve ser aplicada? Muitos pensam que a unção com óleo é somente para os enfermos e que em si mesma poderá restabelecer os doentes. Neste afã muitos a tornam maior do que ela de fato o é. O desafio é deixarmo-nos moldar pela Palavra.

O QUE É UNÇÃO
Ato de ungir alguém ou alguma coisa. Isto no AT era feito com azeite de oliveira que era derramado sobre a cabeça da pessoa ou aplicado por aspersão sobre os objetos, significando com isso que estavam consagrados a Deus e ao Seu serviço (Ex 29. 26-32;1ºSm 1. 21).
DUAS FORMAS DE UNÇÃO
a)Unção cerimonial: Revestida de caráter espiritual e relacionada com o Espírito Santo. A palavra grega é “CHRISMA” – Lc 4. 18; At 10. 38; 2Co 1. 21 -. A raiz desta palavra é a palavra “CRIO” que também é a raiz da palavra “CRISTO” – Ungido – Desta forma Jesus Cristo é o Ungido de Deus por excelência (At 10.38) e todos os que crêem e estão Nele pela fé são ungidos com o Espírito Santo, sendo assim transformados em reis e sacerdotes do Deus Altíssimo (Ap 1. 6). Reis e sacerdotes no AT eram ungidos com óleo sagrado que era símbolo do Espírito Santo.
b)Unção de enfermos: Para unção Tiago usa o termo “ALEIPFO” que quer dizer esfregar, aplicar óleo. Marcos e Lucas usam outro termo originário desta palavra “ALEIPHO.
Em todo o mundo antigo e entre os judeus o azeite era usado como remédio para vários tipos de doenças físicas. Isaías cita o óleo como meio de se tratar as feridas (1.6). Por todas essas informações muitos teólogos defendem que o que Tiago, Marcos e Lucas estão ensinando é o cuidado médico acompanhado de oração. O ensino de se Ter cuidados médicos e orar é excelente, mas, não é exatamente assim que Tiago, Marcos e Lucas estão ensinando. Os Apóstolos mandam ungir o enfermo e orar, eles não descriminam quais qualidades de enfermos (e nós sabemos que nem toda a enfermidade da antigüidade era tratada com óleo. Podemos encarar a unção como um ritual (como o batismo e a Ceia são rituais – é claro que não estou colocando a unção como um sacramento). Não estamos obrigados a ungir enfermos com óleo, contudo, é um costume estimulado pelos discípulos. O que não podemos fazer é ensinar que o óleo tem poder; nem tornarmos os crentes supersticiosos; nem valorizar a criação em detrimento do Criador.
Temos a água por símbolo do Espírito Santo, no batismo, e o pão e o vinho símbolos do corpo e do sangue de Cristo, na Ceia. Se possuímos esses símbolos que mal há em que tenhamos o óleo por símbolo do Espírito, que nos torna santos e cura, em tempo de oração.

O Álcool

Provérbios 23. 29-35
S- Proibição e Exortação – Pv 23. 19-21
T- Argumento do Insensato – Is 22. 13-14
Q- Ameaças aos Inescrupulosos – Is 5. 11-22
Q- Exortação a Vigilância – Rm 13. 12-14
S- Bebidas e Obras da Carne – Gl 5. 19-21
S- Cheios do Espírito – Ef 5. 18-21
D- As Dores dos Alcoolistas – Pv 23. 19, 20, 212, 29-35

Álcool, esse ladrão com autorização oficial, mata muitos milhares em nossas estradas a cada ano; incita as pessoas ao assassinato, ao suicídio e ao homicídio; ele coloca muitas pessoas atrás das grades, como maníacos delirantes. Shakespeare, assombrado exclamou em seus dias: “Ó Deus! Como os homens podem colocar um inimigo em suas bocas para roubar-lhes o cérebro?...”
Vivemos em uma época em que, apesar da grande luta contra o vício das bebidas, este vai atingindo mais e mais pessoas, envolvendo-as, escravizando-as e tornando-as dependentes, conduzindo-as a verdadeiras tragédias, quando não lhes rouba precocemente a vida.

1.Conhecer Para Combater
As bebidas alcoólicas são um dos maiores males do nosso século; Porém, poucos se dão ao trabalho de conhecer as causas desse mal e como esse líquido, tão útil em determinadas áreas da atividade humana, tem se constituído em desgraça para milhares de pessoas em todo o mundo.
É provável que a palavra álcool tenha se originado do árabe “alghole”, cujo significado é “espírito maligno”, possivelmente devido à situação deprimente a que é levado aquele que se deixa levar pelas bebidas.
As bebidas não são descoberta recente. Para se Ter uma idéia saiba que a cerveja já era fabricada a 3000 anos A.C.

Para Refletir
No Brasil o consumo de vinho é igual ao de leite e o de água ardente é maior do que o de leite. O Brasil é o maior consumidor de cerveja do mundo.

2.Efeitos do Álcool no Organismo Humano
a)Na Boca: sensação de queimaduras;
b)No Estômago: irritação da mucosa gástrica, provocando gastrite e úlcera;
c)No Fígado: órgão encarregado de eliminar substâncias toxicas do organismo – há um esforço excessivo, provocando alterações funcionais e lesões graves como hepatite aguda, cirrose hepática e até ascite (barriga d’água);
d)No Pâncreas: Órgão que produz o suco pancreático e a insulina – o álcool pode provocar a pancreatite aguda;
e)Nos Rins: pode provocar a nefrite crônica;
f)No Aparelha Genital: pode haver a perda de certas características sexuais além de afetar a descendência, podendo os filhos virem a nascer com debilidade mental, epilepsia e imbecilidade.
g)Sobre o Sistema Nervoso Central: inibe as funções do cérebro, afeta a memória e, as vezes, o juízo. Os órgãos do centido sofrem perturbação. Inflamação dos nervos. Fraqueza muscular...
h)O Coração: Alterações no rítmico, bloqueios, e até parada cardíaca.
Só pelos efeitos no organismo o álcool não deveria nunca jamais ser consumido.
E Tome Mais Efeitos:
Em pequenas doses:
1.Desenibição;
2.Euforia;
3.Perda de capacidade crítica;
Em doses maiores:
4.Sensação de anestesia;
5.Sonolência;
6.Sedação;
Uso Excessivo:
7.Náuseas,
8.Vômitos;
9.Tremores;
10.Suor abundante;
11.Dor de Cabeça;
12.Tontura;
13.Liberação de agressividade;
14.Diminuição da atenção, da capacidade de concentração, bem como dos reflexos;
15.O álcool destroi as células neurais – essas células não se regeneram.
16.
3.O Que Diz a Bíblia
O vinho era bebida importante na mesa dos filhos de Israel. Porém, a Bíblia em suas páginas constantemente adverte contra os perigos de seu uso.
Ec 10. 17 – “Feliz a nação onde os príncipes se reúnem para se alimentar e não para beber vinho.”
Is 5. 11, 22 – Severas conseqüências apresentadas com a expressão “ai”.
Pv 23. 20 e 21 – Um apelo incisivo, quase um clamor.
1Co 5. 11 – “...não vos associeis com alguém que dizendo-se for... beberrão...” a idéia é a de não estar junto, não participar,
Is 22. 13 e 14
Ef 5. 18
1ºTm 5. 23- Esse texto não dá brecha para se beber. Paulo indica o uso de vinho como remédio

Conclusão
Não encontramos na Bíblia um texto que nos diga: “não bebais vinho”, nem um que exija abstinência total. Porém, com o conhecimento que se tem dos malefícios do álcool e diante das advertências bíblicas sobre os perigos de seu uso, creio que o crente sincero não encontre nenhum motivo para beber.

Material Complementar

Um Pouco de História

Os primeiros indícios sobre o consumo de álcool pelo ser humano, segundo a arqueologia, datam de 6000 A.C.
Na mitologia, principalmente antiga, de muitos povos o álcool e tido como substancia divina. Talvez seja esse um dos fatores que contribuiu para que o hábito de beber se arrastasse ao longo do tempo.
Inicialmente as bebidas eram de baixo teor alcóolico pois só se produzia bebidas fermentadas. Na idade média os Árabes introduziram na Europa as bebidas destiladas.
A palavra whisky vem do gálico “usguebaugh” que significa “água da vida” – esse nome surgiu por que pôr algum tempo na Idade Média creu-se que as bebidas destiladas eram remédios já que faziam dissipar as preocupações bem mais rápido que o vinho ou a cerveja.

A Ciência é Quem Diz

O álcool é uma droga psicotrópica. Atua no sistema nervoso central provocando uma mudança no comportamento de quem a consome. Tem potencial para desenvolver dependência.

Álcool e gravidez

A mulher que consome álcool durante a gravidez vai prejudicar a saúde de seu filho. Mesmo que uma mulher não consuma álcool durante a gravidez mas consuma no período de amamentação ainda assim ela prejudicará a criança.
Uma criança concebida pôr pais alcoólatras (mesmo que só um dos pais o seja) terá probabilidades enormes de apresentar doenças genéticas.

Os Pecados da Língua

Ttg. 3. 1-12

Leitura Diária
S- Pronto para ouvir, tardio para falar. – Tg 1. 19-27
T- Fazer tudo em nome do Senhor – Cl 3. 12-15
Q- Não falemos mal uns dos outros – Tg 4. 11-12
Q- Palavras agradáveis – Pv 16. 23-29
S- Ocupando a língua no bem – 1Co 14. 26-33
S- Nem uma palavra torpe saia de vossa boca – Ef 4. 25-32
D- Guarda a tua língua – Sl 34. 9-22

Os pecados da língua, um pequeno órgão, com o qual louvamos a Deus e amaldiçoamos o próximo. Quanto fogo já não ateou a língua, . Quanto lar desfeito, quanto trabalho do Mestre desbaratado e quanta dor espalhada. Fossemos analisar os pecados da língua no mundo e não teríamos mãos a medir... Não é, entretanto, necessário procurar lá fora os seus desastrados frutos. Em nossos lares e em nossas Igrejas temos mostras, com sobra, do poder dessa chama destruidora e mortífera.
Todos nós somos culpados desse mal. Como é fácil analisar descaridosamente as vidas alheias.
Com que prazer envenenamos qualquer caso, acrescentando um ponto, ou dando a voz uma entonação malévola e insinuante... com que cócegas na garganta não procuramos um amigo ou a vizinha para contar-lhe “o que ouvi dizer”. É há indivíduos, como há famílias, que se especializam neste triste papel.
Tg 3. 1-12
1 – A língua pode tornar-se:
Um meio de comunicar idéias – v. 1
Um meio de fazer o bem – v. 9a
Um meio de obrar o mal – v. 6, 8, 9b
Prova de domínio próprio – v. 2
Prova de perfeição – v. 2
2 – Três figuras / Cousas pequenas de grande feito como a língua:
O freio domina o cavalo
O leme governa o navio
Um pouco de fogo abrasa um bosque
Assim a língua contamina o corpo, incendeia o curso da vida e leva a alma a perdição
3 – Três contrastes
Assim como:
A mesma fonte não pode jorrar água doce e salgada
Nem a figueira dar azeitonas
Ou a videira figos
CONCLUSÃO
A mesma língua não pode louvar a Deus e amaldiçoar os homens, criaturas de Deus, remidas pelo seu filho. A língua que amaldiçoa não pode louvar – o seu louvor sofre maldição.

Aborto

Salmo 139. 13-20

Leitura diária
S- No Ventre Materno- Jó 31. 15
T- As Mãos Divinas- Sl 119. 73
Q- Providência Divina- Sl 22. 9-10
Q- Motivo do Louvor- Sl 71. 6
S- Mistério da Gestação- Ec 11. 5
S- Chamado Eficaz- Is 49. 1-5
D- Eleição Divina- Jr 1. 1-5

O dilema do aborto tem se tornado cada dia mais importante para a nossa sociedade a medida em que a liberação sexual se torna cada vez maior e o feminismo ganhando cada vez mais adeptos. Tais fatos, infelizmente, atuam também dentro da igreja fazendo com que muitos crentes assumam conceitos mais liberais. É muito importante, portanto, que nós nos fundamentemos nas Escrituras e que nos posicionemos contra esse mal de nossa sociedade.
PARA REFLETIR
Nas guerras do Vietnã e da Coréia mataram 50.000 soldados Norte Americanos; A 1ª Grande Guerra Matou 125.000 soldados (EUA) e a 2ª Guerra, 550.000. O aborto matou nos EUA 12.000.000 ( dados da década de 80).
1.O Feto É Uma Vida Humana
Existe muita polemica quanto a época de início da vida humana. Os que militam a favor do livre aborto tentam provar que a vida só tem início no nascimento e que o feto, enquanto em sua situação intra-uterina, é apenas parte de sua mãe, sem individualidade própria. Segundo essa argumentação, seria perfeitamente lícito a mãe praticar o aborto, já que é parte de seu corpo e não uma pessoa. Tanto as Escrituras como a ciência mostram a falência dessa linha de raciocínio.
O novo indivíduo quando fecundado já possui características como: cor de cabelo, aptidões intelectuais, etc... Com 6 a 7 semanas de gestação o feto tem já função cerebral; com 8 semanas tem dedos com impressões digitais, na semana seguinte, movimenta-se. É justamente nesta época que são feitos, em geral, os abortos. Não é, de modo algum, científico dizer-se que o ser em desenvolvimento, a partir da concepção, não é ainda uma vida humana.
A Bíblia afirma que antes do nascimento a pessoa já é conhecida de Deus - Jr 1. 5; Is 49. 1.
2.O Aborto ë Um Homicídio
Se acreditamos que o feto é uma vida humana (e assim cremos) e que o aborto causa a sua morte, temos que concluir que o aborto é um crime de homicídio. Só Deus detém o poder sobre a vida e a morte. Quem pratica o aborto está, tal como Satanás, arrogando para si o direito de atuar como Deus, independentemente de seu criador.
Em muitos países o aborto é permitido. No Brasil só em casos especiais como os de estupro ou em casos em que se sabe que a criança não tem condições de sobreviver ou não levará uma vida normal.
CONCLUSÃO
Uma gravides, pôr mais inicial que seja, representa o início de uma nova vida, o desenvolvimento de uma nova pessoa. Só a Deus cabe a decisão de vida e morte dessa existência.
Para Discutir
1.Qual a sua opinião pessoal sobre o aborto?
2.Você acha que crianças deficientes que levariam uma vida anormal deveriam ser abortadas?
3.Como impedir o crescente número de abortos e conscientizar os pais de que o aborto é um crime?

OS DESVIOS SEXUAIS

OS DESVIOS SEXUAIS

1Co 6. 12-20

Leitura Diária
S- O Pecado Sexual de Sodoma – Gn 19. 1-22
T- Os absolutos de Deus – Lv 18. 1-30
Q- A História de Gibeá – Jz 19 e 20
Q- A Idolatria e Suas Conseqüências – Rm 1. 18-32
S- O Conceito Divino de Injustiça – 1Co 6. 9-10
S- A Finalidade da Lei – 1Tm 1. 8-11
D- A Sexualidade Segundo Jesus – Mt 19. 1-12

“Criou Deus, pois, o homem à Sua imagem, A imagem de Deus o criou; homem e mulher os criou” - Gn 1. 27

Deus não criou macho e macho ou fêmea e fêmea. Deus criou macho e fêmea (Diferentes mas não um superior ao outro. Macho e fêmea se completam.) aptos para tornarem-se “uma só carne”.

Após a entrada do pecado no mundo e a corrupção a dinâmica do relacionamento sexual perverteu-se. Muitos são os desvios sexuais conhecidos – Bestislismo, necrofilia, prostituição, pedofilia, ... – porém aqui trataremos o homossexualismo.


1.Homossexualismo Conceito e Classificação
O homossexualismo é a prática sexual entre pessoas do mesmo sexo. Para o homossexualismo feminino normalmente se usa o termo lesbianismo.
Após estudos exaustivos a respeito do assunto o cientista Kinsey apresenta a seguinte classificação:
0.hétero sexual exclusivo
1.Incidentemente homossexual
2.Mais do que incidentemente homossexual
3.Igualmente hétero e homossexual - bissexual
4.Mais do que incidentemente heterossexual
5.Incidentemente heterossexual
6.Homossexual exclusivo
7.Indiferente sexualmente


2.Perspectiva Biológica do Homossexualismo
O comportamento homossexual é aprendido e não constitucionalmente determinado por uma aberração genética como alguns cientistas quiseram crer por um tempo.


3.Perspectiva Psicológica do Homossexualismo
Até Sigmund Freud, pai da psicanálise, acreditava-se que o comportamento  homossexual fosse determinado por hereditariedade. Freud concluiu que o comportamento homossexual é fruto, principalmente do meio e não de herança genética. A influência dos pais nos primeiros anos de vida da criança determina, em grande medida, segundo Freud, seu comportamento sexual futuro. O homossexualismo seria um desvio da sexualidade normal em função de um relacionamento alterado da criança com sua família, inicialmente , e com a sociedade, posteriormente.


4.Perspectiva Sociológica do Homossexualismo
A sociologia parte do pressuposto de que o ser humano, diferentemente dos animais, tem seu comportamento mais determinado pelo aprendizado do que pelas forças instintivas. Assim, o comportamento sexual seria resultado das forças de socialização que operam no indivíduo em seus primeiros anos de vida. O homossexualismo e o heterossexualismo seriam igualmente válidos do ponto de vista social, já que é a própria sociedade que fornece os mecanismos que levam ao seu desenvolvimento.


5.Perspectiva Bíblica do Homossexualismo
A Bíblia fala-nos bastante a respeito de questões sexuais, tanto no Velho como no Novo Testamento. O modo natural como os problemas são abordados e o linguajar objetivo e realista ainda chocam os ouvidos mais conservadores.
Sem ser um compendio de sexologia, a Bíblia trata de sexualidade como algo naturalmente presente na vida humana, com suas características boas e positivas ao lado de suas características negativas.
O homossexualismo é focalizado implícita e explicitamente em alguns textos.
*Em Sodoma houve tentativa de violência sexual contra os anjos e contra Ló – Gn 19
*”Com homem não te deitarás, como se fosse mulher; é abominação” – Lv 18. 22 e Lv 20.13
*O afastamento de Deus, a idolatria, etc. conduzem o homem a perversão – Rm 1. 24-28
*1Co 6. 9-10 – Exortação a santidade
*1Tm 1. 8-11
Até onde a Luz da Palavra nos ilumina neste momento, podemos e devemos condenar o homossexualismo. O homossexual, contudo, não é um pecador especial, devendo do mesmo modo que qualquer outro, ser alcançado pelo evangelho que salva, também, do homossexualismo.

OS DESVIOS SEXUAIS

OS DESVIOS SEXUAIS

1Co 6. 12-20

Leitura Diária
S- O Pecado Sexual de Sodoma – Gn 19. 1-22
T- Os absolutos de Deus – Lv 18. 1-30
Q- A História de Gibeá – Jz 19 e 20
Q- A Idolatria e Suas Conseqüências – Rm 1. 18-32
S- O Conceito Divino de Injustiça – 1Co 6. 9-10
S- A Finalidade da Lei – 1Tm 1. 8-11
D- A Sexualidade Segundo Jesus – Mt 19. 1-12

“Criou Deus, pois, o homem à Sua imagem, A imagem de Deus o criou; homem e mulher os criou” - Gn 1. 27

Deus não criou macho e macho ou fêmea e fêmea. Deus criou macho e fêmea (Diferentes mas não um superior ao outro. Macho e fêmea se completam.) aptos para tornarem-se “uma só carne”.

Após a entrada do pecado no mundo e a corrupção a dinâmica do relacionamento sexual perverteu-se. Muitos são os desvios sexuais conhecidos – Bestislismo, necrofilia, prostituição, pedofilia, ... – porém aqui trataremos o homossexualismo.


1.Homossexualismo Conceito e Classificação
O homossexualismo é a prática sexual entre pessoas do mesmo sexo. Para o homossexualismo feminino normalmente se usa o termo lesbianismo.
Após estudos exaustivos a respeito do assunto o cientista Kinsey apresenta a seguinte classificação:
0.hétero sexual exclusivo
1.Incidentemente homossexual
2.Mais do que incidentemente homossexual
3.Igualmente hétero e homossexual - bissexual
4.Mais do que incidentemente heterossexual
5.Incidentemente heterossexual
6.Homossexual exclusivo
7.Indiferente sexualmente


2.Perspectiva Biológica do Homossexualismo
O comportamento homossexual é aprendido e não constitucionalmente determinado por uma aberração genética como alguns cientistas quiseram crer por um tempo.


3.Perspectiva Psicológica do Homossexualismo
Até Sigmund Freud, pai da psicanálise, acreditava-se que o comportamento  homossexual fosse determinado por hereditariedade. Freud concluiu que o comportamento homossexual é fruto, principalmente do meio e não de herança genética. A influência dos pais nos primeiros anos de vida da criança determina, em grande medida, segundo Freud, seu comportamento sexual futuro. O homossexualismo seria um desvio da sexualidade normal em função de um relacionamento alterado da criança com sua família, inicialmente , e com a sociedade, posteriormente.


4.Perspectiva Sociológica do Homossexualismo
A sociologia parte do pressuposto de que o ser humano, diferentemente dos animais, tem seu comportamento mais determinado pelo aprendizado do que pelas forças instintivas. Assim, o comportamento sexual seria resultado das forças de socialização que operam no indivíduo em seus primeiros anos de vida. O homossexualismo e o heterossexualismo seriam igualmente válidos do ponto de vista social, já que é a própria sociedade que fornece os mecanismos que levam ao seu desenvolvimento.


5.Perspectiva Bíblica do Homossexualismo
A Bíblia fala-nos bastante a respeito de questões sexuais, tanto no Velho como no Novo Testamento. O modo natural como os problemas são abordados e o linguajar objetivo e realista ainda chocam os ouvidos mais conservadores.
Sem ser um compendio de sexologia, a Bíblia trata de sexualidade como algo naturalmente presente na vida humana, com suas características boas e positivas ao lado de suas características negativas.
O homossexualismo é focalizado implícita e explicitamente em alguns textos.
*Em Sodoma houve tentativa de violência sexual contra os anjos e contra Ló – Gn 19
*”Com homem não te deitarás, como se fosse mulher; é abominação” – Lv 18. 22 e Lv 20.13
*O afastamento de Deus, a idolatria, etc. conduzem o homem a perversão – Rm 1. 24-28
*1Co 6. 9-10 – Exortação a santidade
*1Tm 1. 8-11
Até onde a Luz da Palavra nos ilumina neste momento, podemos e devemos condenar o homossexualismo. O homossexual, contudo, não é um pecador especial, devendo do mesmo modo que qualquer outro, ser alcançado pelo evangelho que salva, também, do homossexualismo.