segunda-feira, 24 de novembro de 2008

A verdade sobre a origem do baralho

Ferramenta - Combatendo Seitas e Heresias I
As cartas foram criadas no ano de 1392 para uso pessoal do rei Carlos da França, quando este sofria de debilidade mental. O criador das cartas era um homem degenerado e mau, que escarnecia de Deus e seu mandamentos.
Para sua criação maligna ele escolheu figuras bíblicas: o rei representa o diabo, a dama representa Maria, a mãe do Senhor Jesus. Assim, de modo blasfemo, fez de nosso Senhor um filho de satanás. Copas e ases representam o sangue do Senhor, o valete (resisto escrevê-lo), o próprio Senhor. Paus e os outros símbolos representam a perseguição de todos os santos.
Seu desprezo pelos dez mandamentos foi expresso pelo número 10 de suas cartas...”
Conclusão: quem jogo baralho blasfema contra Deus (Win Malgo).

Fonte: http://www.jesussite.com.br/acervo.asp?id=222

ORIGEM DO BARALHO
A verdadeira origem do baralho, assim como a da maioria dos jogos de cartas hoje conhecidos, permanece um tanto quanto misteriosa, dizem, os historiadores, que as primeiras cartas surgiram no século X antes de Cristo, no Oriente Médio, outros pesquisadores preferem a versão de que a invenção, na verdade, ocorreu na China, a pedido do imperador Sehum-Ho que deseja presentear uma de suas namoradas.
O fato é que a invenção do baralho, pode ser atribuída a diversos povos, porém os chineses, os egípcios, os árabes e os indianos certamente estão entre os primeiros povos a usar as cartas.
Ao que tudo indica, as cartas, no início eram usadas com fins religiosos e de adivinhação do futuro, o fato é que no século XVI foram introduzidas na Europa pelos árabes, e os europeus, no século seguinte, se encarregaram de espalha-los pelo resto do mundo.
A ORIGEM DOS NAIPES
Segundo historiadores, e estudiosos, dos jogos de cartas, os soldados árabes que, em determinado momento da história da civilização, invadiram o sul da Itália no século XIV, praticavam um jogo chamado naib, que aparentemente originou a palavra naipe.
Nem sempre os baralhos tiveram as configurações de naipes como hoje conhecemos, na Índia antiga, por exemplo, os naipes eram em número de 10, cada naipe representava uma das encarnações da divindade Vishnu.
Quando foi introduzido na Europa, pelos árabes, o naipes já eram 04: taças, moedas, espadas e bastões (ainda hoje o chamado baralho espanhol usa estes naipes).
Com a popularização crescente dos jogos de cartas, alguns países europeus, como a França, Itália e Espanha, passaram a usar os naipes que hoje são utilizados no mundo todo: paus, ouros, espadas e copas e, embora, em alguns lugares, como na Alemanha, os naipes fossem diferentes o uso dos naipes utilizados na França, Itália e Espanha acabou por prevalecer e se tornar padrão mundial.
A padronização dos naipes foi fator preponderante para a disseminação dos jogos de cartas pelo mundo, pois abriu a possibilidade da criação de novos jogos e a adaptação e modernização de outros que estavam esquecidos pelos jogadores.
Apesar da padronização dos naipes ainda existem países com baralhos de naipes diferentes, como, por exemplo, o Japão, onde um jogo, o HANAFUDA, é jogado com um baralho de 12 naipes.
TIPOS DE BARALHOS
O baralho comum tem 52 cartas divididas em 04 naipes numerados de 02 a 10 e mais as cartas chamadas de figuras: o rei, a rainha, o valete e o ás.
O Tarô, que foi o primeiro baralho fabricado na Europa, mais precisamente na Itália, permanece até hoje com 22 cartas, sendo 21 numeradas em algarismos romanos e a 22 a. que representava a liberdade e era chamada de il matto(o louco), essa carta foi ao que tudo indica a origem dos atuais curingas.


Fonte: http://www.jogosdecartas.com.br/defaultb.asp?area=2


MISTICISMO
SIMPATIAS MÁGICAS

BARALHO


A origem do baralho perde-se na noite dos tempos. Em todas as civilizaçoes antigas há registros de jogos semelhantes, utilizando pranchas, placas de argila, de madeira, pedras coloridas e tudo o mais de que a engenhosidade podia se valer para criar, estabelecer e desenvolver um sistema de símbolos que até hoje encanta e intriga sábios e leigos.
Nao apenas o baralho do Tarô mas o baralho comum, de trinta e duas cartas, encerram, nas suas figuras, naipes e números segredos ainda hoje indecifráveis.
Um baralho comum, além dos símbolos representados pelos naipes e figuras, remete-nos ao complexo sistema de adivinhaçao e magia existente nos números, estudados desde a antigüidade, na Cabala, por
exemplo, até os modernos Numerólogos de hoje em dia.
A curiosidade nos levou a pesquisar entre os milhares de registros a existencia de simpatias que se valesse de algo tao antigo quanto as próprias simpatias: o baralho. Para nossa satisfaçao, já que neste campo nada mais nos surpreende, os registros surgiram aos montes, demonstrando que havia uma faceta nova das Simpatias ainda nao percebida nem analisada: a das simpatias com Baralhos.
O famoso mago Hermitall, em sua obra hermética chamada "Letras e Destino", defende que uma das formas de escrita mais perfeitas já criadas era a do baralho. Segundo ele, as cartas formam mensagens segundo sua disposiçao, numa linguagem que pode ser acessível a quem se debruçar por algum tempo no seu estudo.
Na verdade, nao apenas ele, mas muitos estudiosos dos baralhos tem a mesma conclusao. As cartas nao simbolizam apenas letras, mas mensagens inteiras que, uma vez juntas, transmitem um número formidável de informaçoes.
Além dessa finalidade, as cartas de baralho se prestam a inúmeras outras, pois tem, no desenho que exibem, elementos mágicos harmoniosamente dispostos, de forma a agirem por si só como autenticos amuletos ou talismas.
O fértil ramo das Simpatias com Baralho atesta essa verdade, com um sem-número de soluçoes para os mais diversos problemas da vida do homem, desde a busca do amor a da fortuna. Assim, para assegurar tanto uma boa entrevista de emprego quanto um bom casamento, as cartas de baralho se prestam a mais esse serviço em benefício daqueles que compreendem as mensagens nelas contidas.
O uso de amuletos e talismas sempre foi comum entre os povos, desde a mais remota antigüidade. Seja nas tumbas egípcias ou nas urnas indígenas, vestígios dessa prática puderam ser identificados, comprovando que há maneiras de se interferir nos planos inferiores e superiores, mediante o uso de determinados elementos que, uma vez reunidos, ganham o poder de alterar estados e situaçoes aparentemente fora de nosso controle.
O emprego dos amuletos e talismas é ilimitado, muito embora muitos apenas conheçam seu uso para atrair a sorte e afastar o azar e suas manifestaçoes. Em todos os demais campos das Simpatias Mágicas, no entanto, o uso deles se faz presente, inclusive naquilo que se relaciona a beleza e ao corpo em geral.
Especificamente nesse item, um dos mais ricos filoes é o dos talismas feitos com cartas de baralho, destinados a melhorar o aspecto físico das pessoas e até a faze-las conviver melhor com sua própria aparencia, pois o que cada um de nós ve, ao se olhar num espelho, nao corresponde ao que os outros que nos olham veem.
Melhorar a aparencia pode passar, portanto, por um processo inicial de aceitaçao de si mesmo(a), pois a beleza tem que vir, necessariamente, de dentro para fora para se fazer sentir realmente.

Fonte: http://paulofaria.blogspot.com/2007_12_08_archive.html
















O diabólico Jogo das Cartas
(Aqui estão 2 significados das cartas do baralho, além destes existem outros)
A Liberdade Cristã
Todas as coisas me são lícitas, mas nem todas me convêm; todas as coisas são lícitas, mas nem todas glorificam o nome de Deus.
(I Coríntios 10:23)
Visto que amou a maldição, ela lhe sobrevenha; não desejou a bênção, ela se afasta de você.
(Salmos 109:17)
Não introduzirás uma coisa abominável em tua casa, para que não sejas amaldiçoado, semelhantemente a ela. De todo a detestarás, e de todo a abominarás, pois é amaldiçoada.
(Deuteronômio 7:26)
É comum em muitos lares o uso do jogo como passatempo e brincadeiras inocentes. Em muitos casos os que assim procedem o fazem inocentemente. Outros, no entanto, ainda não conseguiram extirpar resquícios de antigos vícios. Terminam por produzir testemunho negativo junto aos incrédulos, que insistem em afirmar igualdade de comportamento com os filhos de Deus. A salvos que ao serem advertidos, reafirmaram a inocência de tal proceder. ( não há nenhum pecado num simples jogo de cartas entre pessoas crentes), dizem. Mas o significado da própria palavra baralho, contesta tal afirmação. A palavra significa: confusão, conflito, desordenar, embaralhar. Tal significado, seria suficiente para a não existência de baralhos em lares de crentes. Transcrevemos a origem e o significado das cartas do baralho. Quem conhece a origem das cartas de jogar, também compreende porque as cartas estão relacionadas com práticas satânicas, como adivinhação, esconjuração, etc... As cartas foram criadas no ano de 1392 para uso pessoal do Rei Carlos da França, visando minorar os seus sofrimentos de debilidade mental. O criador das cartas era um homem degenerado e mal , escarnecedor de Deus e seus mandamentos. Para sua criação maligna escolheu as Bíblicas. O rei representa o diabo. A dama, Maria, a mãe de Jesus. Assim, de modo blasfemo, fez de Nosso Senhor um filho de Satanás e Maria. Copas e asses representam o sangue do Senhor. O valete representa o próprio Jesus. Paus e outros símbolos representam a perseguição e destruição de todos os salvos. Seu desprezo pelos dez mandamentos foi expresso pelo número dez de suas cartas. Quem conhece essa origem diabólica do jogo de cartas compreende também as conseqüências satânicas que acompanham os jogos. Não é de admirar que a adivinhação funcione tão bem com as cartas pois são sinais diabólicos. Devemos ser advertidos: nenhum jogador lembra da realidade de satanás e dos demônios que estão envoltos neste Jogo. Como filhos de Deus não devemos nos envolver com jogos de cartas. Nem por brincadeiras, pois não se brinca com satanás. A história da ciência oculta esta estritamente ligada com a criação das cartas de jogar. Não há dúvidas que as cartas , em razão de sua origem escarnecedora, são diabólicas. Cresce a cada a ação do maligno em nossa sociedade. Usando os mais variados recursos satanás tenta desesperadamente envolver até mesmo os salvos. O verdadeiro crente possui outros recursos para se alegrar e se divertir. Não há necessidade de usar os meios propostos pelo maligno. O testemunho do salvo, até mesmo nos momentos de folguedo, a que comprovar o poder transformador do evangelho. Somos novas criaturas, geradas pelo precioso sangue de Cristo a produzir um novo estilo de vida e comportamento (Col. 3:1). Até mesmo no divertimento, o verdadeiro salvo é diferente dos pecadores sem Cristo. Buscamos não apenas uma alegria transitória, mas a verdadeira alegria de vidas santificadas pelo Espírito Santo. Vidas que glorificam ao Senhor diuturnamente.












O BARALHO
As cartas têm mistério. Reis, rainhas e valetes olham-nos enigmaticamente, com seus sorrisos misteriosos. Paus, ouro, copas e espada são símbolos potentes com significados ocultos ainda por decifrar. Muito já se falou sobre eles e muito ainda se falará sobre esse antigo e intrigante oráculo.
Como isso tudo começou? De onde surgiu o baralho? Uma lenda conta que o baralho foi inventado por uma concubina de um imperador chinês em 1120 a. C. e outra afirma que as cartas já eram utilizadas na China, na arte do vaticínio, dois séculos antes.
Ali chegou vinda da Índia, após cruzar o Himalaia, assim como o Budismo e o Yoga. Na antiga Índia, as cartas eram usada como oráculo, dividindo-se o baralho em dez séries, uma para cada encarnação do deus hindu Visnu.
Parece, pois, que desde o começo as cartas haviam sido utilizadas como oráculos para resolver os enigmas pessoais da humanidade. Essa função precedeu sua associação com o jogo. A maioria das artes, nas mais antigas civilizações, tinham um aspecto religioso e a adivinhação significava intervenção dos deuses.
Algumas das denominações que os europeus deram às cartas derivam dos nomes que tinham no Oriente Médio e que estavam relacionados com as previsões. A palavra hebraica nabi, que quer dizer previsão, havia dado seu nome a um antigo jogo de cartas italiano, naib, do qual procede a palavra espanhola naipes.
Um outro nome surge ligado à invenção do baralho: o antigo mago egípcio Hermes Trismegistus, que não se sabe se realmente existiu ou se as historias que o rodeiam são místicas. Há também teorias de que no reinado dos faraós do Nilo foram empregadas as cartas para esclarecer o destino da humanidade.
Esta teoria parece ter algum sentido, quando se sabe que os ciganos, em suas mudanças, passaram por ali e são tidos como os introdutores dos naipes na Europa. Essa teoria se fortalece ainda mais agora que se sabe que os ciganos surgiram originalmente na Índia, dividindo-se depois em dois grupos, um rumando para a Pérsia e outro para o Egito.
Qualquer que se seja sua origem, as cartas se difundiram pela Europa e dali para o mundo todo, posteriormente, motivado pela curiosidade natural do ser humano, ansioso para receber mensagens misteriosas a respeito do desconhecido.
Acredita-se que tenha sido por simples comodidade que as setenta e oito cartas do baralho completo original fossem reduzindo-se com o tempo, até chegar ao baralho atual de cinqüenta e duas cartas, usado hoje em dia para o jogo. Para a arte de prever o futuro com as cartas, conhecido como Cartomancia, deve-se reduzir ainda esse número para trinta e duas cartas, a partir do sete, contando os ases como a de valor mais alto.
O SIGNIFICADO DAS CARTAS E DOS NAIPES
Cada carta tem um significado e certas combinações de cartas têm seu próprio significado.
COPAS
REIS: Um homem generoso, elegante, de pele clara. ( II Coríntios 11:14 - se apresenta como anjo de luz)
RAINHA: Equivalente feminino do rei. ( Romanos 1:26;27 - Deus fez homem e fez a mulher com suas devidas características)
VALETE: Amigo ou amante, nem sempre confiável.
OITO: Convite, uma viagem ou uma visita. Satisfação interior.( Satisfação interior só em Jesus Cristo João 14:27)
SETE: Satisfação especialmente no matrimônio. (Satisfação no casamento é quando convida-mos o Senhor Jesus Cristo para estar no casamento Ele é único que transforma a água em vinho, aquilo que não tem mais gosto Ele transforma no mais saboroso João 2:1-12)
PAUS: Retratam contratempo e advertências de desgraças, inimigos, escândalos e traições, sofrimento e perda.
ÁS: Assuntos legais. Uma proposta amorosa ou de negócios.
REI: Advogado não muito confiável. (João 8:44 ele é o pai da mentira nele não há verdade)
RAINHA: Viúva, separada ou divorciada, sutil e astuta.
VALETE: Um homem jovem, obscuro, descarado e traiçoeiro.
DEZ: Preocupação vinda de longe, talvez uma viagem ou prisão.
NOVE: Fracasso e desgraça.
OITO: Tristeza causada por más noticias.
SETE: Disputa, distúrbios e problemas.
OURO:- Assuntos gerais, não relacionados com as emoções e os sentimentos. As figuras correspondem a pessoas.
ÁS: Carta importante, convite sério.
REI: Um homem de autoridade e força. (Toda autoridade e todo poder está em Jesus Cristo Mateus 28:18)
RAINHA: Uma mulher bonita, mas rancorosa.
Vidas que glorificam ao Senhor procuram seguir o que está escrito na Bíblia
Fonte: http://www.cicero.com.br/novaera/curiosidades.htm