sexta-feira, 26 de fevereiro de 2016

VIDA EM FAMÍLIA


“Melhor é viver no deserto do que com uma mulher briguenta e amargurada.” (Provérbios 21.19)
Qual o efeito de sua presença em sua casa? Que tipo de pessoa você é quando está em casa, com sua família? Você é uma boa pessoa dentro de casa? Há um grave pecado que cometemos contra nossas famílias: Ser melhores longe dela do que dentro dela. Há pais que são muito bons, elogiosos e prestativos... com os filhos dos outros. Há filhos que são um exemplo de organização e boa vontade... quando estão na casa dos outros. Há cônjuges que são encantadores... mas não para quem divide o quarto e a cama com eles. O provérbio fala da mulher, mas podemos falar aqui de todos que constituem a família. Devemos considerar que efeitos causamos em nossa casa pois pode ser que esteja sendo duro para nossa família nos ter por perto. Será lamentável se nossa ausência passar a ser mais apreciada em nossa casa do que nossa presença! Deveríamos fazer falta e provocar saudades, mas isso depende do tipo de pessoas que somos, do modo como agimos, quando estamos em casa.
Muitos de nós não sabem desfrutar tempo de qualidade em família. Nem todos nós tivemos famílias que nos ensinaram a cultura da mesa de refeições e o prazer de passar tempo juntos. Mas podemos aprender. Podemos orar para que Deus nos ajude a desenvolver a comunhão dentro de casa. Podemos melhorar o humor e devemos nos incomodar com a proximidade distante que tantas vezes se estabelece em nossas casas. Dividimos o mesmo espaço, mas às vezes nos falta intimidade. Não é bom quando, na família, cada um tem seu espaço privado e poucas palavras são trocadas, quase nenhum abraço ou pouquíssimas. E isso faz muita falta! Faz falta contar uns aos outros o que fizemos ou o que estamos pensando em fazer. Precisamos ouvir e dar conselhos dentro de casa. Este ano devemos fazer uma reforma, talvez não na casa, mas certamente na família! Ore por mudanças e comece a agir para que mudanças aconteçam.
Preste atenção em seu próprio comportamento. Faça questão e se esforce para que sua família tenha tempo à mesa juntos. Faça perguntas sobre como eles estão e fale sobre você. Conte suas histórias! Pais devem contar suas histórias de vida aos filhos. Se a narrativa é verdadeira e sincera, eles amam! As histórias de vida dos pais são importantes para os filhos! Outra coisa boa é aprendermos a orar em família. Crie uma forma nova de orar em sua casa, não se prenda ao modelo da igreja. Orar é conversar com Deus, é algo livre, não precisa seguir um padrão. Temos hoje muitas famílias de segundo casamento com ou sem filhos do primeiro. É preciso aprender a ser família também nessa nova constituição e há muito que aprender para todos. Por isso, em 2016, aprenda mais sobre como viver em família e seja uma pessoa melhor dentro de casa. Que a graça de nosso Senhor Jesus Cristo esteja com você!