terça-feira, 31 de maio de 2011

AMOR ELETIVO

Robert Murray M’Cheyne

***

“Não fostes vós que me escolhestes a mim; pelo contrário, eu vos escolhi a vós outros e vos designei
para que vades e deis fruto, e o vosso fruto permaneça.”
João 15.16João 15.16  

Esta  é  uma  afirmação  sobremodo  humilhante  e,  ao  mesmo  tempo,  bastante  abençoadora  para  o
verdadeiro  discípulo  de  Jesus.  Foi  muito  humilhante  para  os  discípulos  ouvirem  que  não  haviam
escolhido a Cristo. As necessidades de vocês são tantas, e seus corações, tão endurecidos, que vocês não
me escolheram. Mas, apesar disso, foi extremamente reconfortante para os discípulos saberem que Cristo
os  havia  escolhido  –  “Não  fostes  vós  que  me  escolhestes  a  mim;  pelo  contrário,  eu  vos  escolhi  a  vós
outros”. Isto lhes mostrou que Cristo os amou antes de eles O amarem – Ele os amou quando ainda
estavam mortos em pecados. Em seguida, Jesus mostrou aos discípulos que seria o amor que os tornaria
santos:  “Não  fostes  vós  que  me  escolhestes  a  mim;  pelo  contrário,  eu  vos  escolhi  a  vós  outros  e  vos
designei para que vades e deis fruto, e o vosso fruto permaneça”.
Consideremos as verdades deste versículo na ordem em que são expressas.

1.  OS  HOMENS  NÃO  ESCOLHEM  NATURALMENTE  A  CRISTO  —  “Não  fostes  vós  que  me
escolhestes a mim”. Isto era verdade a respeito dos apóstolos; também é verdade a respeito de todos os
que crerão em Jesus, até o final do mundo. “Não fostes vós que me escolhestes a mim.” O ouvido natural
é tão surdo, que não pode ouvir; os olhos naturais, tão cegos, que não podem ver a Cristo. Em certo
sentido, é verdade que todo verdadeiro discípulo escolhe a Cristo; mas isto acontece somente quando
Deus abre os olhos da pessoa, para que ela veja a Jesus; quando Deus outorga vigor ao braço ressequido,
para que ele abrace a Cristo.
O  significado  das  palavras  de  Jesus  era:  “Vocês  nunca  me  teriam  escolhido,  se  eu  não  os  tivesse
escolhido”. É verdade que, quando Deus abre o coração do pecador, este escolhe a Cristo e a ninguém
mais, somente a Cristo. É verdade que um coração vivificado pelo Espírito sempre escolhe a Cristo, a
ninguém mais, somente a Cristo, e por Ele renunciará o mundo inteiro.
Irmãos, este versículo nos ensina que todo pecador despertado se mostra disposto a seguir a Cristo, mas
não  antes  de  ser  tornado  disposto.  Aqueles  que  dentre  vocês  foram  despertados,  não  escolheram  a
Cristo. Se um médico viesse à sua casa e dissesse que viera para curá-lo de sua enfermidade, e se você
sentisse  que  não  estava  doente,  diria  ao  médico:  “Não  preciso  de  você;  procure  o  vizinho”.  Esta  é  a
maneira como você age para com o Senhor Jesus: Ele lhe oferece a cura, mas você Lhe diz que não está
enfermo;  Ele  se  oferece  para  cobrir,  com  a  obediência  dEle  mesmo,  a  nudez  de  sua  alma,  mas  você
responde: “Não preciso dessa roupa”.
Outra razão por que você não escolhe a Cristo é esta: você não vê qualquer beleza nEle. “E como raiz de
uma terra seca; não tinha aparência nem formosura” (Is 53.2). Você não vê qualquer beleza na pessoa de
Cristo, nenhuma beleza na obediência dEle, nenhuma glória na sua cruz. Você não O vê e, por isso, não
O escolhe.
Outra razão por que você não escolhe a Cristo é esta: não quer que Ele o torne santo. “Lhe porás o
nome de Jesus, porque ele salvará o seu povo dos pecados deles” (Mt 1.21). Mas você ama o pecado, ama
os  seus  prazeres.  Por  isso,  quando  o  Filho  de  Deus  se  aproxima  e  lhe  diz:  “Eu  o  salvarei  dos  seus
pecados”, você responde: “Amo o pecado, amo os meus prazeres”. Por conseguinte, você nunca pode
chegar a um acordo com o Senhor Jesus. “Não fostes vós que me escolhestes a mim.” Embora eu tenha
morrido em favor de vocês, não me escolheram. Tenho lhes falado por muitos anos, mas, apesar disso,
vocês  não  me  escolheram.  Tenho  lhes  dado  a  Bíblia,  para  instruí-los,  e  ainda  assim  vocês  não  me
escolheram.  Irmão,  esta  acusação  lhe  sobrevirá  no  Dia  do  Juízo:  “Eu  o  teria  vestido  com  a  minha
obediência, mas você não o quis”.


2. CRISTO ESCOLHEU SEUS PRÓPRIOS DISCÍPULOS. “Eu vos escolhi a vós outros”. O Senhor
Jesus contemplou os seus discípulos com um divino olhar de misericórdia, dizendo-lhes: “Eu vos escolhi
a vós outros”. Todos aqueles que Jesus traz à glória, Ele os escolheu.

O tempo em que Ele escolheu os discípulos.
Observamos que foi antes de eles crerem — “Não fostes vós que me escolhestes a mim; pelo contrário, eu
vos escolhi a vós outros”. Isto equivale a: “Fui eu que comecei a lidar com vocês, não foram vocês que
começaram a lidar comigo”. Você perceberá isto em Atos 18.9 e 10: “Teve Paulo durante a noite uma
visão  em  que  o  Senhor  lhe  disse:  Não  temas;  pelo  contrário,  fala  e  não  te  cales;  porquanto  eu  estou
contigo, e ninguém ousará fazer-te mal, pois tenho muito povo nesta cidade”. Nesta ocasião, Paulo estava
em  Corinto,  a  cidade  mais  lasciva  e  ímpia  do  mundo  antigo.  Os  coríntios  se  davam  a  banquetes e  à
detestável idolatria, mas Cristo disse ao apóstolo: “Tenho muito povo nesta cidade”. Eles não tinham
escolhido a Cristo; Ele, porém, os escolheu. Aqueles coríntios não se haviam arrependido ainda, mas
Cristo fixou seus olhos sobre eles. Isto mostra claramente que Cristo escolhe os seus discípulos antes que
estes O busquem.
Além disso, Cristo os escolheu desde o princípio – “devemos sempre dar graças a Deus por vós, irmãos
amados pelo Senhor, porque Deus vos escolheu desde o princípio para a salvação, pela santificação do
Espírito e fé na verdade” (2 Ts 2.13); “assim como nos escolheu, nele, antes da fundação do mundo, para
sermos santos e irrepreensíveis perante ele; e em amor” (Ef 1.4). Portanto, irmãos, foi antes da fundação
do mundo que Cristo escolheu os seus próprios discípulos, quando não havia sol, nem lua; quando não
havia mar, nem terra — foi no princípio. Ele podia dizer com certeza: “Não fostes vós que me escolhestes
a mim”. Antes que os homens amassem uns aos outros, ou que os anjos se amassem mutuamente, Cristo
escolheu os seus próprios discípulos. Agora sei o que significam as palavras de Paulo, quando ele disse:
“A fim de poderdes compreender, com todos os santos, qual é a largura, e o comprimento, e a altura, e a
profundidade e conhecer o amor de Cristo, que excede todo entendimento” (Ef 3.18-19).
Agora não fico surpreso com a morte de Cristo. Foi uma expressão de amor tão grande que transbordou
os diques que o retinham, um amor que irrompeu no Calvário e no Getsêmani. Ó irmão, você conhece
este amor?

Agora falemos sobre a razão deste amor.
“Não fostes vós que me escolhestes a mim; pelo contrário, eu vos escolhi a vós outros” (Jo 15.16). Esta é
uma pergunta natural: por que Ele me escolheu? Respondo que a razão por que Ele escolheu você foi o
beneplácito da vontade dEle mesmo. Você pode ver isto ilustrado em Marcos 3.13: “Depois, subiu ao
monte e chamou os que ele mesmo quis, e vieram para junto dele”. Havia uma grande multidão ao redor
de Jesus; Ele chamou alguns, mas não chamou a todos. A razão apresentada é esta: “Chamou os que ele
mesmo  quis”.  Não  há  qualquer  razão  na  criatura;  a  razão  está  nEle,  que  escolhe.  Você  verá  isto  em
Malaquias 1.2 e 3: “Eu vos tenho amado, diz o SENHOR; mas vós dizeis: Em que nos tens amado? Não
foi Esaú irmão de Jacó? – disse o SENHOR; todavia, amei a Jacó, porém aborreci a Esaú”. Eles não eram
filhos da mesma mãe? Apesar disso, “amei a Jacó e aborreci a Esaú”. A única razão apresentada é esta:
“Terei misericórdia de quem eu tiver misericórdia” (Êx 33.19). Você também pode ver isto em Romanos
9.15  e  16.  A  única  razão  que  a  Bíblia  nos  oferece  para  explicar  porque  Cristo  nos  amou  (e  se  você
estudar  até  à  sua  morte,  não  encontrará  outra)  é  esta:  “Terei  misericórdia  de  quem  me  aprouver  ter
misericórdia”. Isto é evidente de todos aqueles que Cristo escolhe.
A Bíblia nos fala sobre duas grandes apostasias: uma, no céu; outra, na terra. A primeira, no céu: Lúcifer,
a  estrela  da  manhã,  pecou  por  orgulho,  e  Deus  o  lançou  no  inferno,  bem  como  todos  aqueles  que
acompanharam  a  Lúcifer  em  seu  pecado.  A  segunda  apostasia,  na  terra:  Adão  pecou  e,  por  isso,  foi
expulso  do  Paraíso.  Tanto  Adão  como  Lúcifer  mereciam  a  condenação.  Deus  tinha  um  propósito  de
amor. Em favor de quem existia este propósito? Talvez os anjos apelaram pelos outros anjos que eram
seus companheiros. Mas Cristo os deixou de lado e morreu em favor do homem. Por que Ele morreu em
favor do homem? A resposta é: “Terei misericórdia de quem me aprouver ter misericórdia”. Isto também
é evidente nas pessoas que Cristo escolhe. Talvez você pense que Cristo deveria escolher os ricos, mas o


que  disse  Tiago?  “Não  escolheu  Deus  os  que  para  o  mundo  são  pobres,  para  serem  ricos  em  fé  e
herdeiros do reino que ele prometeu aos que o amam?” (2.5)
Você também pode imaginar que Cristo deveria escolher os nobres; eles não têm os preconceitos que os
pobres têm. Mas, o que nos dizem as Escrituras? “Não foram chamados muitos sábios segundo a carne,
nem muitos poderosos” (1 Co 1.26). Ou talvez você pense que Cristo deveria escolher os eruditos. A
Bíblia está escrita em linguagem difícil; suas doutrinas são árduas à compreensão; apesar disso, veja o que
Cristo disse: “Graças te dou, ó Pai, Senhor do céu e da terra, porque ocultaste estas coisas aos sábios e
instruídos e as revelaste aos pequeninos” (Mt 11.25).
Ainda, você pode imaginar que Cristo deveria escolher pessoas cheias de virtudes. Embora não haja nem
um  justo,  existem  algumas  pessoas  que  são  mais  virtuosas  do  que  outras.  Todavia,  Cristo  disse  que
publicanos e meretrizes entram no reino de Deus, enquanto os fariseus são deixados do lado de fora. “Ó
profundidade da riqueza, tanto da sabedoria como do conhecimento de Deus! Quão insondáveis são os
seus juízos, e quão inescrutáveis, os seus caminhos!” (Rm 11.33) Por que o Senhor Jesus escolheu os mais
ímpios?  Eis  a  única  razão  que  encontrei  na  Bíblia:  “Terei  misericórdia  de  quem  me  aprouver  ter
misericórdia e compadecer-me-ei de quem me aprouver ter compaixão” (Rm 9.15).

Cristo escolhe alguns dos que O buscam e não outros.
Houve um jovem rico que veio a Cristo e perguntou-Lhe: “Bom Mestre, que farei para herdar a vida
eterna?” (Mc 10.17) Este jovem foi sincero, mas um obstáculo surgiu entre eles, e o jovem recuou. Uma
mulher pecadora veio aos pés de Jesus, chorando. Ela também foi sincera, e Cristo lhe disse: “Perdoados
são os teus pecados” (Lc 7.48). O que causou a diferença? “Terei misericórdia de quem me aprouver ter
misericórdia.”  O  Senhor  Jesus  “chamou  os  que  ele  mesmo  quis”.  Ó  meu  irmão,  humilhe-se  ante  a
soberania de Deus. Se Ele decidiu ter compaixão, Ele terá compaixão.

3. APRESENTO O TERCEIRO E ÚLTIMO PONTO: “Eu... vos designei para que vades e deis fruto,
e  o  vosso  fruto  permaneça”  (Jo  15.16).  Cristo  escolhe  não  somente  aqueles  que  serão  salvos,  mas
também a maneira como isso acontecerá. Escolhe não somente o começo e o fim, mas também o meio.
“Deus vos escolheu desde o princípio para a salvação, pela santificação do Espírito e fé na verdade” (2 Ts
2.13).  “Assim  como  nos  escolheu,  nele,  antes  da  fundação  do  mundo,  para  sermos  santos  e
irrepreensíveis perante ele; e em amor...” (Ef 1.4). E lemos em Romanos 8: “E aos que predestinou, a
esses também chamou; e aos que chamou, a esses também justificou; e aos que justificou, a esses também
glorificou” (v. 30). A salvação é como uma corrente de ouro que une o céu à terra. Dois elos estão nas
mãos de Deus – a eleição e a salvação final. Mas alguns dos elos estão na terra – a conversão, a adoção,
etc. Irmãos, Cristo nunca escolhe um homem para crer e ser imediatamente transportado à glória. Ah!
meu irmão, como isto remove todas as objeções levantadas contra a santa doutrina da eleição! Alguns
talvez digam: “Se sou eleito, serei salvo, viverei como quiser”. Não, se você vive em impiedade, você não
será salvo. Outros talvez digam: “Se eu não sou um eleito, não serei salvo, viverei como eu quiser”. Se
você é ou não eleito, eu não sei. Eu sei isto: se você crer em Cristo, será salvo.
Quero perguntar-lhe: você já creu em Jesus? Está portando a imagem de Cristo? Então, você é um eleito e
será salvo. Todavia, existem muitos que ainda não creram em Cristo e não têm uma vida santa. Então,
não  importa  o  que  vocês  pensam  agora,  descobrirão  ser  verdade  que  estão  entre  aqueles  que  foram
deixados de fora.
Oh! meu irmão, aqueles que negam a eleição negam que Deus pode ter misericórdia! Esta é uma doce
verdade: Deus pode ter misericórdia. No seu coração endurecido não existe nada capaz de impedir que
Deus tenha misericórdia de você. Tome posse desta verdade no coração:  Deus pode ter misericórdia.
“Não fostes vós que me escolhestes a mim; pelo contrário, eu vos escolhi a vós outros.”


-----------------
Extraído da revista Fé Para Hoje.