terça-feira, 23 de fevereiro de 2010

Teologia da Libertação

A Teologia da Libertação é um pensamento e movimento que se desenvolveu no chamado “terceiro mundo” e nas periferias do chamado “primeiro mundo”. Ela apareceu na segunda metade do século XX com muita força na América Latina. Sua proposta é cuidar dos excluídos e libertá-los.
A teologia da libertação traz em seu bojo uma mistura de várias ideias teológicas o que a faz controversa e discutida. Existe nela uma ênfase, quase que exclusiva, no social, no excluído e no pobre. Isso é tão forte nessa corrente que não existe nela Cristocentrísmo. Questões espirituais sérias são relegadas ao segundo plano (poderia até dizer que ao total esquecimento). Exemplos de coisas depreciadas, ou esquecidas são:
1. A mensagem salvadora de Jesus do ponto de vista Bíblico;
2. As questões espirituais que envolvem o ser humano;
3. A parte de contemplação e oração do Cristianismo (pois nessa corrente só o ativismo conta);
4. Esquecimento de todos os outros segmentos sociais em detrimento dos excluídos.
E muito mais eu poderia citar.
Na visão dessa corrente a Igreja fica relegada a ser uma agência social, e só. Não há tratamento espiritual comprometido e libertação só é entendida dentro do escopo sociológico.
No Brasil, especialmente, a Teologia da Libertação tem muita influencia e visibilidade, porém, os grupos sobre os quais ela tem influencia tem se mostrado descentrados e desorganizados. Um exemplo clássico é o MST que tem praticado ações criminosas e é, tão somente, um braço político, massa de manobra, de determinado segmento político (hoje dominante, porém sem controle sobre esses grupos “sociais” em virtude de sua dívida por usá-los).
A teologia da libertação nos abril os olhos para questões importantes, porém, não carecemos de uma teologia da libertação. Uma teologia holística e Bíblica é do que precisamos. Precisamos tratar do homem integral e da sociedade em sua integralidade. A teologia Bíblica, Cristocéntrica e holística é o caminho. É preciso que tratemos o homem na sua integralidade, a sociedade em todos os seus níveis e o mundo em sua inteireza.




Rev. Juberto Oliveira da Rocha Júnior