terça-feira, 18 de agosto de 2015

“Ideologia” de Gênero: Que Bicho é Esse?

“Ideologia” de Gênero: Que Bicho é Esse?


         Temos ouvido, nos últimos tempos, com notória frequência a expressão “’ideologia’ de gênero”. Nas redes sociais, o tema apareceu com destaque, nos últimos meses. O Governo Federal, via estratagemas do Executivo, tentou implantar essa “ideologia” no Plano Nacional de Educação Básica. Como esse ponto foi veementemente rejeitado pelo Legislativo, o governo tentou aprová-lo recentemente nos Planos Municipais de Educação (tais planos tiveram prazo de aprovação expirado em 24 de junho passado). De modo maquiavélico, o Executivo, tendo fracassado na aprovação desse ponto em nível nacional, enviou modelos de projetos aos municípios. Caso os mesmos fossem aprovados do modo como foram enviados, os municípios teriam que implantar a “ideologia” de gênero nas escolas. De modo arbitrário, pisando no Congresso e menosprezando a Constituição Federal, o Executivo tentou implantar essa ideia comprovadamente nociva a Sociedade Brasileira.

         Mas, o que é “ideologia” de gênero? Isso é um “pensamento” que ensina que nossa identidade sexual não é biologicamente definida. Segundo essa corrente, nossa sexualidade é construída a partir da experiência cultural e social que temos. Querem dizer com isso que não nascemos homem e mulher, somos ensinados a ser homem e mulher. A ideia da “ideologia” de gênero é que as crianças devem ser tratadas de modo neutro. Na escola, elas seriam chamadas de “criança” e com o tempo eles mesmos decidiriam, baseados nas suas experiências, se são menino ou menina, ou bissexuais ou... Pautada nesse pensamento, a escola (e posteriormente a família) estaria impedida de dizer ao João que ele é um menino. Ele é quem decidirá isso (sabe-se lá quando, como e por quê...). Uma ideia absurda que contraria a Bíblia, as religiões, a biologia...
         Quem está por trás disso? Políticos de Esquerda, movimentos LGBT, feministas, entre outros seguimentos minoritários.

         O que eles ganham com isso? A destruição da família, das Igrejas, da ordem e da moral. Desta forma, eles impõem uma ditadura anômala anárquico-esquerdista que te obrigará a aceitar o que eles querem. O Estado se agigantará e assumirá papéis da família e você se tornará escravo de um Estado que só se importa consigo mesmo e pouco se importa com o que pensa a maioria. Então, escreverão um epitáfio: “Aqui jaz a Família e a Democracia”.

         Politize-se e lute contra esse mal pelo bem de todos nós.

Rev. Juberto Oliveira da Rocha Júnior: é casado com Glêdes Geane, pai de Tirza e Hadassa, Pastor da Igreja Presbiteriana.


Artigo escrito para o Jornal Novo Tempo – Jornal Comunitário de Nova Era - MG